Veterinários desmentem secretário de Agricultura e Pesca e aconselham não consumir pescado de áreas atingidas por óleo

Em carta aberta, 37 profissionais da área alertaram a população sobre o perigo da contaminação do óleo
Matheus Muratori - redacao@souecologico.com
Saúde e Meio Ambiente
Publicado em: 11/11/2019

Mais de 30 médicos veterinários especialistas em fauna marinha alertaram para os perigos de consumir o pescado das áreas atingidas pelo vazamento de óleo que assombra os litorais da Região Nordeste e do estado do Espírito Santo desde o fim de agosto deste ano. Os profissionais da área foram na direção contrária do secretário de Agricultura e Pesca do Governo Federal, Jorge Seif Júnior, que minimizou o fato. “Peixe é inteligente, quando vê mancha de óleo, foge (...) Podem consumir seu peixinho, lagosta ou camarão, sem problema nenhum”, disse, em uma transmissão ao vivo no Facebook com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), realizada em 31 de outubro.

“É importante enfatizar que esta informação não procede, uma vez que está incorreta (é sim possível que os peixes se contaminem diretamente) e também não leva em conta o fato de que a principal via de contaminação dos peixes e outros tipos de pescado está relacionado à via indireta, pela cadeia alimentar. Assim, é indiscutível que os recursos alimentares provenientes do litoral nordestino correm grande risco de estarem contaminados (e possivelmente de outras regiões do país, à medida que a área impactada continua a aumentar), como já foi demonstrado na Bahia”, diz trecho da publicação, divulgada na última quinta-feira (7).

Óleo assombra o litoral brasileiro desde o fim de agosto deste ano (Foto: Felipe Brasil/Instituto do Meio Ambiente de Alagoas)
Óleo assombra o litoral brasileiro desde o fim de agosto deste ano (Foto: Felipe Brasil/Instituto do Meio Ambiente de Alagoas)

O documento, intitulado de “Carta Aberta à Sociedade Brasileira”, ainda diz: “Dado o potencial tóxico dos componentes do óleo, a ingestão do óleo ou de animais marinhos contaminados podem causar diversos efeitos agudos e crônicos no organismo. A intoxicação por resíduos do óleo pode causar úlceras gástricas, náuseas, vômito, enjoo, problemas respiratórios, arritmia cardíaca, dentre outros”.

Em 24 de outubro deste ano, uma pesquisa da Universidade Federal da Bahia (UFBA) foi divulgada e comprovou que o material, ao ser ingerido direta ou indiretamente, pode causar diversos problemas. "Pela cadeia alimentar, essas substâncias são transferidas para nós, o que é algo extremamente perigoso", disse o professor Francisco Kelmo, da UFBA, ao Estadão.

Veja, abaixo, a íntegra da carta:

Divulgação

Assinam o documento:

Alessandra Rocha – Rio de Janeiro/RJ
Allan Poltronieri Santos – Vila Velha/ES
Ana Carolina Ewbank – São Paulo/SP
Andrea Soffiatti Grael – Niterói/RJ
Andrei Manoel Brum Febronio – Pontal do Paraná/PR
Bartolomeu André Paoli Vago – São Mateus/ES
Carlos Sacristán Yagüe – São Paulo/SP
Claudia Carvalho do Nascimento – Praia Grande/SP
Daniela Magalhães Drummond de Mello – Manaus/AM
Daphne Wrobel Goldberg – Rio de Janeiro/RJ Denyiélim
Elias Oliveira- Balbina/AM
Elitieri Santos Neto – Rio de Janeiro/RJ
Fabio Henrique Amâncio – Aracaju/SE
Fábio Henrique de Lima – Pontal do Paraná/PR
Fabiola da Silva Santana – São Sebastião/SP
Franscinne Narita – São Paulo/SP
Hernani Gomes da Cunha Ramos – São Paulo/SP
Isabela Moreira Neto – Santos/SP
Joana Midori Penalva Ikeda – Rio de Janeiro/RJ
Juliana Yuri Saviolli – São Sebastião/SP
Larissa Pavanelli – Salvador/BA
Laura Reisfeld – São Paulo/SP
Leandro Egert – Vila Velha/ES
Letícia Koproski – Curitiba/PR
Lívia Eichenberg Surita – Porto Alegre/RS
Luis Felipe Silva Pereira Mayorga – Vila Velha/ES
Luisa Mutzenbecher – São Sebastião/SP
Melissa Marcon – Guarujá/SP
Pedro Luís Bruno Filho – Ubatuba/SP
Priscilla Carla dos Santos Costa – Cananeia/SP
Raissa Barbosa de Oliveira – Rio de Janeiro/RJ
Ralph Vanstreels – Vila Velha/ES
Raquel Beneton Ferioli – Ubatuba/SP
Renata Hurtado – Vila Velha/ES
Rodrigo Pinho Gomez Lopez – Maraú/BA
Samira Costa da Silva – Vitória/ES
Thaís Larissa Lourenço Castanheira – Salinas/MG


Postar comentário