Sustentabilidade: como tratar do tema com as crianças?

*Tânia Leão Tagliari
Espaço Aberto
Publicado em: 02/10/2019

A sustentabilidade é um conceito complexo, porque estamos falando de preservação e cuidado. Porém, a mensagem é muito mais simples: agir para que outras gerações possam também usufruir do mesmo que temos. Isso é muito mais do que preservar a natureza. É aprender sobre empatia, solidariedade e generosidade.

Uma educação sustentável pensa ainda mais à frente: contrapõe uma cultura materialista, em que predominam o consumo, o imediatismo e o descarte dos objetos. E o desafio é como como transmitir valores às crianças que serão um contraponto a essas questões?

No Colégio Marista Arquidiocesano, localizado em São Paulo (SP), a cultura da sustentabilidade faz parte da formação humanista. Partindo dessa premissa, foi promovida uma atividade com os alunos do 1º ano do Ampliado que abordou determinados assuntos: agricultura sustentável, saúde, bem-estar, consumo, produção e desenvolvimento responsável.

Dentre as variadas questões, os estudantes indagaram: de onde vêm os alimentos que estão em nossa mesa? Em face da pergunta, elas ficaram motivadas em colocar a mão na massa.

Com isso, cada criança levou para a sala de aula uma garrafa PET e recebeu uma muda de hortelã para plantar. Antes do plantio, os estudantes puderam exercitar a observação, sentiram o aroma, a textura e a delicadeza das folhas. Algumas não conheciam a hortelã, mas o cheiro remetia a algo. Diziam: “esse cheirinho me lembra o chá”.

Aprender sobre os cuidados necessários para o cultivo de uma planta os aproximou significativamente da natureza. Além de plantar, observar e levantar hipóteses, cada aluno ficou responsável por cuidar de seu vaso e regá-lo diariamente.

Discussões em roda, pesquisas, hipóteses, registros, desenhos, colagens e atividades com massinha e algodão fizeram parte do projeto.

Após algumas semanas, as crianças foram surpreendidas por algo novo: lagartas apareceram e comeram folhas de alguns vasos. Essa descoberta mexeu com a curiosidade e surpreendeu os alunos.

Para responder as perguntas dos estudantes, foi programada uma visita ao Laboratório de Ciências e uma conversa com uma bióloga. A experiência foi enriquecedora e muito especial, pois todos puderam conhecer mais um espaço do colégio, observar equipamentos de pesquisa, utilizar lupas e aprender, de modo lúdico, sobre as etapas do desenvolvimento de uma lagarta.

O projeto não parou por aí. Os alunos queriam avançar na pesquisa: — vamos ver a importância da água na vida das hortelãs? Assim, separaram alguns vasos. A ideia: comparar uma amostra de vasos diariamente regados com outra amostra com irrigação escassa. O que será que aconteceria com as hortelãs? Com a ajuda da equipe da Tecnologia do Colégio, as crianças utilizaram uma placa chamada Microbit com sensores para medir a umidade dos vasos. Com suporte dessa placa de desenvolvimento, fizeram registros semanais.

Esse projeto, prático e simples, facilita a aquisição de habilidades do século 21, importantes para o convívio em sociedade, bem como auxilia no desenvolvimento de competências que envolvem a cooperação, a negociação e o respeito.

*Tânia Leão Tagliari é coordenadora do Período Integral do Colégio Marista Arquidiocesano, localizado em São Paulo (SP).


Postar comentário