Startup oferece soluções de coleta e reaproveitamento de sobras que viram matéria-prima

Startup Polen nasceu da necessidade primária de facilitar o dia-a-dia das indústrias na gestão mais eficiente dos seus resíduos
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Sustentabilidade
Publicado em: 08/07/2019

O Brasil enterra, anualmente, cerca de 120 bilhões em resíduos que poderiam ser reciclados como matéria-prima. De olho nesse cenário, a Polen, criada em janeiro de 2017, reforça um time que ganha cada vez mais visibilidade no ecossistema de inovação brasileira. As cleantechs, startups que trazem inovação para reduzir os impactos ambientais negativos, já somam mais de 136 empresas, segundo a ABStartups, entidade que representa o setor.

Domínio público
Domínio público

A Polen já é reconhecida em seu segmento e tem sob sua gestão mais de 400 mil toneladas de resíduos mensais, atuando como um marketplace que conecta indústrias que geram resíduos com aquelas que utilizam as sobras como insumos. "Hoje o Brasil só recicla 3% de todo o resíduo produzido em território nacional, e diante dessa realidade, que mostra gastos desnecessários para enterrar resíduos, enxergamos uma grande oportunidade de utilizá-los como matéria prima em outros ciclos produtivos", afirma Renato Paquet, CEO e fundador da startup.

A Polen nasceu da necessidade primária de facilitar o dia-a-dia das indústrias na gestão mais eficiente dos seus resíduos e, por isso, realiza toda a cadeia de comercialização: plataforma para pagamento em garantia, transporte, logística e seguro ambiental para cobrir os possíveis acidentes ambientais no transporte da carga, e o seguro da carga em si. Além disso, a startup oferece um relatório de sustentabilidade e um selo de certificação ambiental para todos os clientes que utilizam a plataforma por um ano completo. Um dos diferenciais da empresa é que ela é a única do setor que faz fulfillment, ou seja, pagamento com garantia de entrega, logística, certificação e fechamento da compra dentro do mesmo espaço.

A Polen também oferece soluções para logística reversa, composta por um sistema que utiliza blockchain para fazer toda a rastreabilidade e comprovar a reinserção de resíduos de embalagem pós-consumo na cadeia da reciclagem. As empresas que fazem a logística reversa com a Polen ganham um selo de certificação ambiental e um relatório de logística reversa e sustentabilidade, que consiste na descrição das ações que foram realizadas para sua empresa realizar a logística reversa, como investimento em cooperativas, colocação e gestão de pontos de entrega voluntária, investimentos em centrais de triagem de resíduos, entre outros.

Atualmente, a empresa possui mais de 700 clientes e conta com alguns cases de sucesso. "Atendemos atualmente duas empresas que são líderes globais em seus mercados, a ArcelorMittal e a Owens-Illinois que enxergaram a Polen como uma excelente ferramenta de supply chain e fornecimento de matéria prima. sistema de homologação de fornecedores que possibilita desde a inserção de licenças ambientais até vídeos de processos produtivos e centrais de armazenamento é muito apreciado pelos nossos clientes", conta Paquet.

Além de seus cases com as indústrias, a Polen aposta em ações e projetos sustentáveis próprios para contribuir ainda mais com a preservação do meio ambiente. Dentre essas ações, a startup aposta no projeto Recicla Orla, que consiste num programa de logística reversa através da colocação de pontos de entrega voluntária de resíduos em toda a Orla do Rio, cobrindo seus mais de 34km de extensão. "Diante da proibição do uso de canudos e da tendência seguindo para outros produtos plásticos, nós queremos oferecer uma alternativa sustentável para o descarte de resíduos pós-consumo em praias do Rio de Janeiro e mostrar que o maior vilão é o descarte incorreto, e não o plástico em si. As empresas que são obrigadas a realizar logística reversa têm nos procurado para adotar trechos das praias sob nossa gestão. Rapidamente conseguiremos cobrir toda a extensão da Orla do Rio conforme o planejado", comenta Renato.

Ainda para esse ano, a empresa tem como missão quintuplicar de tamanho e deseja capitanear a revolução do uso dos recursos recicláveis no país. A Polen tem por premissa ser a responsável por fazer com que o Brasil se torne referência em como a tecnologia pode transformar a reciclagem para o mundo.

Fonte: Piar Comunicação


Postar comentário