Sebastião Salgado divulga “antes” e “depois” de área preservada em Aimorés, Minas Gerais

Fotógrafo e esposa, Lélia Wanick Salgado, foram condecorados com o Prêmio Hugo Werneck de 2017
Matheus Muratori - redacao@souecologico.com
Preservação Ambiental
Publicado em: 02/05/2019

Fotógrafo dos mais premiados de todo mundo, Sebastião Salgado divulgou imagens “antes” e “depois” de uma área que mantém em preservação desde dezembro de 1999. O local, situado em Aimorés, Região do Vale do Rio Doce de Minas Gerais, terra natal do retratista, é mantido pelo Instituto Terra.

Imagem da área restaurada e preservada impressiona (Foto: Divulgação/Instituto Terra)
Imagem da área restaurada e preservada impressiona (Foto: Divulgação/Instituto Terra)

O instituto foi fundado por Sebastião e pela produtora cinematográfica e esposa Lélia Wanick Salgado, em 1998, justamente para preservar a área. A ideia se deu depois de o fotógrafo voltar de uma viagem à Ruanda, capital da Angola, onde retratou o genocídio que o país sofria. Ao retornar à terra natal, ele se deparou com uma paisagem deteriorada e resolveu agir.

Em pouco tempo, com a ajuda de milhares de voluntários e também de doações, o casal recuperou a paisagem original da Fazenda Bulcão. Com o plantio recorde de 2,5 milhões de árvores, eles restauraram uma área de 7.000 hectares, antes degradada pelo desmatamento, pela seca e pela criação de gado. Mais de 300 espécies nativas da Mata Atlântica foram plantadas no local e contribuíram para trazer de volta a água e os animais.

Pela ação, Sebastião e Lélia foram condecorados com a “Homenagem do Ano” do Prêmio Hugo Werneck em 2017, realizado anualmente pela Revista Ecológico. Na ocasião, a produtora cinematográfica comentou as ações realizadas em Aimorés.

“Eu e Sebastião não conseguiríamos fazer todo esse trabalho sozinhos. Contamos com a ajuda de muitas pessoas, funcionários, voluntários e amigos, que gostaríamos de agradecer aqui. Muito obrigada!”, disse.

“Reconstituímos um ecossistema que era muito parecido com aquele de quando éramos crianças e fico felicíssimo de receber o prêmio. Foi uma honra imensa estar aqui com todos esses companheiros sonhadores”, completou Sebastião Salgado, naquela oportunidade. Hoje, o fotógrafo tem 75 anos, e a esposa 71.

Sebastião Salgado e Lélia Wanick são nomes fundamentais para a preservação ambiental em Aimorés (Foto: Divulgação/Instituto Terra)
Sebastião Salgado e Lélia Wanick são nomes fundamentais para a preservação ambiental em Aimorés (Foto: Divulgação/Instituto Terra)

Postar comentário