Pegadinha chama atenção para crise hídrica

Vídeo protagonizado por Matt Damon ilustra drama vivido em regiões áridas
Da Redação / Ecológico - redacao@revistaecologico.com.br
Preservação Ambiental
Publicado em: 26/10/2018

Quanto tempo você aceitaria esperar em um restaurante para beber um copo d’água? E se as torneiras do hotel em que você se hospedasse estivessem sem uma gota? Em quantos minutos gostaria de ver o serviço restabelecido? Três, quatro, o que acha de seis? Seis horas. Horas, não minutos. Esse é o tempo médio, mapeado pela ONG “Water.org”, que as pessoas levam para ter acesso à água em regiões áridas e carentes. Para chamar a atenção para o problema, a entidade divulgou um vídeo estrelado pelo ator Matt Damon, um dos seus cofundadores.

Postada nas redes sociais há meses, a campanha continua eficaz para incentivar solidariedade para com o próximo e despertar nossa consciência para a importância de continuar economizando água. O vídeo ilustra, em tom crítico, comovente e bem-humorado, a realidade dura vivida por pessoas em diferentes regiões do planeta. A organização estima que 663 milhões, espalhados por países em desenvolvimento, não têm acesso à agua encanada. São vítimas da seca e do descaso que, para ter o que beber, o que usar para fazer comida ou tomar banho, precisam percorrer longas distâncias. Caminhadas que levam horas até um poço ou lago, muitas vezes barrento, sob um sol forte.

O contraste das regiões áridas com as plenamente urbanizadas e onde não há racionamento é patente no vídeo da “Water.org”. Por não entender o que é perder grande parte do dia para ter acesso à água, quem vive em cidades é flagrado na gravação indignado e acaba se emocionando ao ser confrontado com essa realidade. Entre as reações registradas estão risadas, muita perplexidade e falas como “quero falar com seu gerente”.

Presença em três continentes

A ONG “Water.org” atua na África, Ásia e América Latina. No Brasil, ela afirma ter encontrado um cenário adequado para expandir financiamentos que classifica como acessíveis. O chamado “WaterCredit”, informa a entidade, “traz empréstimos pequenos e facilmente reembolsáveis ​​para aqueles que precisam de acesso a financiamento acessível e recursos especializados para tornar as soluções domésticas de água e sanitários uma realidade”. O tíquete médio é de 322 dólares. De acordo com a organização, 84% dos mutuários são mulheres e 98% dos empréstimos são pagos de volta.


Postar comentário