Novas tecnologias em disposição de barragens estão sendo analisadas em Minas Gerais

Formas diferentes de se acumular rejeitos estão sob análise da Semad
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Mineração
Publicado em: 15/07/2019

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) está analisando diversos processos que possuem como objetivo a implementação e operação de novas tecnologias de disposição a seco. Dois deles serão pautados na última sexta-feira (12), na Câmara de Atividades Minerárias (CMI) do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam).

Janice Drumond/Semad
Janice Drumond/Semad

O processo da empresa Mosaic Fertilizantes P & K Ltda., localizada no município de Araxá, proporcionará, caso deferida pelos conselheiros, o início do cronograma de descaracterização de duas barragens de contenção de rejeitos de mineração no Complexo Mineroquímico, sendo que uma delas é a única barragem com método de alteamento a montante que estava até há pouco tempo em operação na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba.

Além dessas descaracterizações, no Complexo Mineroquimico de Araxá já se encontra instalada uma planta piloto de desaguamento, com capacidade para retirar a água de 25 toneladas de rejeito por hora. Este rejeito desaguado pode ser disposto em pilhas, evitando assim, a necessidade da utilização de novas barragens de rejeitos no futuro.

Ainda sobre a Mosaic Fertilizantes, em 5 de julho, foi firmado Termo de Compromisso entre a empresa, Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Público Federal (MPF), Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) e a Superintendência Regional de Meio Ambiente Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Supram TMAP) da Semad, com objetivo de estabelecer rigorosas obrigações para controle na estabilidade e segurança das barragens de contenção de rejeitos do complexo.

Já o processo da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que também será analisado pelo Copam, visa a regularização ambiental de uma pilha de rejeitos secos, que viabilizará a continuidade das operações do complexo minerário sem a utilização da barragem Casa de Pedra, podendo assim adiantar sua descaracterização.

Dentro dessas premissas, em 2019 a Semad também determinou, em conjunto com o MPMG, a mudança tecnológica visando a descaracterização de outras barragens de rejeitos de mineração como a Barragem Samambaia da Mineração Usiminas em Itatiaiuçu, Granha Ligas Ltda., em Conselheiro Lafaiete, e EMFX Mineração Ltda., em Resende Costa.

Fonte: Agência Minas


Postar comentário