Iniciadas obras do primeiro viaduto vegetado do Brasil

Estrutura visa reduzir atropelamento de animais em rodovia

Da Redação / Ecológico - redacao@revistaecologico.com.br
Meio Ambiente
Publicado em: 08/11/2018

O Ministério Público Federal (MPF) informou que foram iniciadas neste mês as obras do primeiro viaduto vegetado no Brasil. A passagem está sendo construída na rodovia BR-101, no trecho que liga a cidade do Rio de Janeiro a Casimiro de Abreu, no km 218.

A medida é fruto de ação civil pública movida pelo MPF para que a Autopista Fluminense cumpra condicionantes previstas em licenças decorrentes da obra de duplicação da estrada. As exigências, segundo a procuradoria, visam à redução do índice de atropelamento de animais no trecho que corta a Reserva Biológica de Poço das Antas e da Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São João / Mico-Leão-Dourado.

O cronograma da obra prevê que o viaduto, coberto com até quatro metros de solo e árvores, fique pronto em abril de 2020. Além dele e de 15 passagens subterrâneas, para evitar o isolamento da fauna dessas áreas, foi iniciada também a construção de quatro estruturas rígidas tipo passarela, com previsão de conclusão para setembro de 2019.

Imbróglio ambiental

A construção do viaduto vegetado é um projeto que envolveu a negociação entre vários atores. O imbróglio foi debatido com participação do MPF, de órgãos ambientais (ICMBio e Ibama), da concessionária Autopista Fluminense, da Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT) e da Associação Mico-Leão-Dourado.

A questão, segundo o MPF, é que, com a duplicação da BR-101, além do problema dos atropelamentos da fauna, a estrada passou a funcionar como uma barreira para os animais que tentam acessar a Reserva Biológica de Poço das Antas, afetando diretamente os esforços para salvar o mico-leão-dourado do risco de extinção.

Sobre o mico-leão-dourado

O mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) é uma espécie endêmica, com distribuição restrita a remanescentes florestais severamente fragmentados da Mata Atlântica de baixada do Rio de Janeiro.

O animal-símbolo da preservação ambiental no país vive cerca de oito anos e está, segundo o ICMBio, ameaçado de extinção. De acordo com o órgão, embora a população da espécie esteja aumentando, em razão de esforços conservacionistas e da criação de áreas protegidas, ela ainda sofre com a expansão urbana, de infraestrutura e o contato com primatas invasores.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil