Estudo mapeia distribuição de cavernas no Brasil

Mais de 18 mil estão catalogadas em todo o território nacional
Da Redação / Ecológico – redacao@revistaecologico.com.br
Meio Ambiente
Publicado em: 14/01/2019

É preciso conhecer para preservar. Com esse propósito, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) atualiza anualmente, por meio do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (Cecav), uma ampla base de dados com a localização de cavernas no território nacional. O anuário serve, entre outros propósitos, como referência para o licenciamento ambiental de atividades potencialmente impactantes ao patrimônio espeleológico nacional.

Na atualização feita com dados disponíveis até dezembro de 2018, foi registrada a ocorrência de 18.358 cavernas. Território de formações bastante conhecidas, como a Gruta da Lapinha, em Lagoa Santa, e a de Maquiné, em Cordisburgo, Minas Gerais é o estado com maior número de cavernas, são 7.622 já cadastradas. Na sequência estão o Pará, com 2.630; a Bahia, com 1.367, e o Rio Grande do Norte, com 1.047.

As informações do anuário também estão divididas em bacias hidrográficas, biomas, solos e unidades de conservação, além da proximidade das cavernas com rodovias, ferrovias, assentamentos rurais, mineração, petróleo, usinas hidrelétricas e linhas de transmissão. Para chegar a esse mapeamento, foram usados dados de vários órgãos e agências reguladoras do governo federal.

Enquanto o Cerrado concentra metade dos registros (9.177), biomas como o Pampa (59) e o Pantanal (16) abrigam menos de um por cento das cavernas catalogadas. Outro dado que chama a atenção é que 65% das ocorrências estão fora de unidades de conservação (UCs).

Mapa para especialistas

O Cecav também lançou um Mapa de Ocorrências de Cavernas no Brasil. O material apresenta o tipo de solo e rocha em cada uma das formações cadastradas. O usuário pode baixar o desenho no formato pdf e os dados vetoriais com as regiões de ocorrência em formato shapefile ou kmz.

Foto: Sérgio Mourão/Acervo Setur-MG


Postar comentário