Acúmulo de entulhos, que obstrui águas de chuva, pode dar lugar a horta comunitária em BH

O plantio vai ocupar espaços nas margens da ferrovia na região do Barreiro
Da Redação / redacao@revistaecologico.com.br
Sustentabilidade
Publicado em: 18/06/2019

O lixo descartado irregularmente às margens da Rede Ferroviária Federal, na região do Bairro Átila de Paiva (Barreiro), além do desnível acentuado no local, estaria provocando constantes alagamentos nas casas próximas à estrada, durante o período de chuvas. Em visita técnica ao local, na última quinta-feira (13/6), por requerimento do vereador Juliano Lopes (PTC), a Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana ouviu os moradores, que cobraram alternativas para o descarte de entulhos e soluções de drenagem. A Prefeitura anunciou a criação de horta comunitária na área de acúmulo de lixo.

Segundo moradores da região, o descarte de entulhos nas margens da estrada de ferro, além do problema da retenção de águas pluviais, provoca mau cheiro e o aparecimento de mosquitos, ratos e outros animais que geram riscos à saúde. A MRS Logística, empresa concessionária responsável pela operação da ferrovia, explicou que já retirou o lixo em diversos trechos da estrada e está construindo alambrados para evitar novos descartes de entulhos. A PBH anunciou que já tem projeto de contenção e canalização para proteger as casas atingidas e que estão localizadas em um ponto considerado crítico.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Representante da Regional Berreiro, Rogério Costa informou que serão criadas hortas comunitárias e pequenos espaços de lazer em pontos estratégicos da faixa de domínio da ferrovia, por meio de uma parceria entre a concessionária e a Secretaria Municipal Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional (Smasan). Segundo Costa, esta forma de ocupar o espaço deve evitar o descarte de entulho e ainda criar uma atividade produtiva local.

Fonte: CMBH


Postar comentário