Em Madri, Greta condena ataques a indígenas no Brasil

Ativista sueca está na capital espanhola, onde participa da COP 25
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Indígenas
Publicado em: 10/12/2019

Em Madri, capital da Espanha, a jovem ativista ambiental sueca Greta Thunberg, de 16 anos, condenou recentes ataques a indígenas no Brasil. No último sábado (7), um atentado contra líderes indígenas Guajajara, na BR-226, entre as aldeias Boa Vista e El Betel, no Maranhão, resultou em duas mortes.

“Os Povos Indígenas estão sendo literalmente assassinados por tentarem proteger a floresta do desmatamento ilegal. Repetidamente. É vergonhoso que o mundo permaneça calado a respeito”, tuitou Greta, no domingo (8). Ela está em Madri para a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP 25), que tem fim na sexta-feira (13).

No mesmo dia, Jonata Galvão, secretário em exercício de Direitos Humanos do Maranhão, criticou o governo por só agir após tragédias: “São só respostas reativas às barbaridades que têm acontecido. Queremos saber se o governo federal vai ficar reativo aos atentados ou se vai estruturar uma medida concreta e agir para combater esses crimes”.

Greta ficará em Madri até sexta-feira (13), quando a COP 25 tem fim (Foto: Juan Medina/Reuters)
Greta ficará em Madri até sexta-feira (13), quando a COP 25 tem fim (Foto: Juan Medina/Reuters)

Uma portaria do Ministério da Justiça, que autoriza o uso da Força Nacional de Segurança Pública em apoio à Fundação Nacional do Índio (Funai) na Terra Indígena de Cana Brava Guajajara, localizada no estado do Maranhão, foi publicada no Diário Oficial da União nesta terça-feira (10).

A medida tem por objetivo "garantir a integridade física e moral dos povos indígenas, dos servidores da Funai e dos não índios" na região pelo prazo de 90 dias, contados a partir do dia 10 de dezembro e podendo ser prorrogado, se necessário. Ainda não há suspeitos do crime cometido no sábado.


Postar comentário