Educação e salvação

Joyce Capelli
Espaço Aberto
Publicado em: 16/08/2019

Vivemos tempos de apreensão com o alto grau de degradação da natureza em todo o mundo. Não é alarmismo ou Fake News. Infelizmente, sobram dados e argumentos que comprovem isso.

A última leva de más notícias ocorreu na semana passada, com a publicação de um relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) da ONU (Organização das Nações Unidas).

O documento aponta que desmatamento e agropecuária respondem por 23% das emissões de gases de efeito estufa responsáveis pelo aquecimento global.

Este relatório se baseou em um trabalho de dois anos, no qual participaram voluntariamente 103 peritos de 52 países.

Como medida drástica, mas eficiente, o texto científico apoia a redução do consumo de carne e adoção de dietas com base em plantas e produtos de origem animal com fontes sustentáveis. O motivo: cada boi ou vaca produz, em média, de 250 a 500 litros de metano por dia, que polui 25 vezes mais que o gás carbônico. Apenas no Brasil, o rebanho está estimado em 218 milhões de cabeças de gado de acordo com o IBGE.

Outra informação impactante: metade dos grãos produzidos no planeta é para alimentar os 70 bilhões de animais criados para a alimentação humana. Além disso, um terço das áreas terrestres e 75% do uso de água limpa é para plantação e criação de animais para alimentação.

A perda da vegetação faz o planeta absorver cada vez menos o CO2 em excesso na atmosfera, gerando fortes mudanças climáticas. Atividades humanas afetam mais de 70% de toda a superfície terrestre não coberta de gelo.

Um quarto da área da Terra já tem o solo degradado. Cerca de 500 milhões de pessoas vivem em áreas de desertificação, zonas vulneráveis às mudanças climáticas e eventos extremos como secas, ondas de calor e tempestades de poeira.

Toda essa catástrofe que o relatório indica e que está acontecendo agora, é preocupação constante do Instituto Melhores Dias. Nossa organização acredita que além de mudanças imediatas que governos e nações precisam adotar, temos que conscientizar o maior número possível de jovens e crianças para garantir sustentabilidade nas ações de proteção ambiental.

Aqui no Brasil, com nossos programas, conscientizamos alunos de escolas públicas e as pessoas das comunidades onde eles vivem sobre a importância de respeitar o meio ambiente e tomar medidas eficazes para manter a vida no planeta.

Qualquer ação neste sentido já está atrasada. Não cabe mais discutir se vivemos realmente um momento de degradação. É hora de extrairmos o melhor lado da natureza humana e reunirmos as pessoas de bem para mudar rapidamente o cenário de destruição que criamos.

Junte-se a nós, faça sua parte para voltarmos a ter um ambiente amistoso para a proliferação da vida (seja ela humana, animal ou vegetal).

*Artigo de Joyce Capelli, Presidente do Instituto Melhores Dias para Neo Mondo.


Postar comentário