Cinco mitos sobre a moda sustentável

Saiba o que é verdade ou mentira no movimento de moda ecologicamente amigável

Sustentabilidade
Publicado em: 26/10/2018

A indústria da moda é a terceira mais poluente do planeta e muitas marcas estão pensando em como reduzir esse impacto na produção. A Mumo é uma das empresas comprometidas em pensar moda sustentável de forma acessível, mas ainda há muitos mitos sobre esse movimento a serem desmitificados.

Confira, a seguir, em cinco tópicos:

1. A moda sustentável é cara

Antes de mais nada, é preciso entender o custo de toda cadeia produtiva. A matéria-prima orgânica chega a ser 50% mais cara do que uma não orgânica e a mão de obra é remunerada de forma justa, recebendo até duas vezes mais. Por esse motivo, a moda sustentável se torna um pouco mais cara do que marcas tradicionais, mas nem tanto quando se considera todo processo por trás de uma peça fabricada.

2. Moda sustentável não tem referência de passarela

Não necessariamente. Certamente existem marcas adeptas do movimento slow-fashion, onde as peças são mais atemporais ou básicas, mas há também marcas que incorporam referências dos principais desfiles internacionais em suas coleções. "Lançamos quatro coleções anuais, que são desenhadas para estar ligadas com o atual momento da moda, com looks que conversam entre si", diz a diretora criativa da Mumo, Luana Goldstein.

3. Consciência no consumo

A moda sustentável reduz os impactos ao meio ambiente, mas ainda os gera. O uso de agrotóxico é menor ou nulo, a emissão de CO2 também é reduzida, mas é impossível não ter impactos. Cada escolha gera um impacto na natureza, é importante ser consciente. É melhor consumir moda sustentável do que tradicional.

4. A qualidade dos tecidos é inferior

Também é mito pensar que a qualidade do produto é inferior em razão da matéria-prima. É justamente ao contrário. As peças são pensadas para serem duráveis e não gerar consumo desnecessário, como nos fast-fashions. Os produtos são feitos com material selecionado e de alta qualidade para as peças terem caimento perfeito no corpo e durarem mais, gerando menos lixo.

5. Se a matéria-prima é sustentável está tudo certo

Ter matéria-prima sustentável é um bom caminho, mas há muito mais coisas a serem consideradas. A sustentabilidade vai além do tecido. É importante se preocupar com toda a cadeia de produção. Matéria-prima, processo produtivo, mão de obra e em ações socioambientais. "Moda sustentável é a somatória de ações ao longo de toda a cadeia. Um único detalhe é marketing e não sustentabilidade", pondera Rodrigo Tozzi, CEO da Mumo.


Postar comentário