Canteiros de saúde

Uma iniciativa barata e de fácil manejo, o cultivo de hortaliças nas escolas incentiva a preservação ambiental e garante uma alimentação de qualidade aos estudante
Ecológico nas Escolas
Edição 121 - Publicado em: 20/12/2019

Há coisa melhor do que colher alimentos fresquinhos, sem agrotóxico, bem ao lado da sala de aula? E, de quebra, deixar o espaço ainda mais verde e bonito? Uma iniciativa cada vez mais comum em instituições de ensino, as hortas escolares trazem uma série de benefícios para estudantes e professores, que incluem a adoção de hábitos alimentares saudáveis e, claro, a preservação do meio ambiente.

De acordo com a Política Nacional de Alimentação e Nutrição, aprovada em 1999, a alimentação e a nutrição “são requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento humano, com qualidade de vida e cidadania”. E um dos melhores ambientes para incentivar a alimentação saudável é a escola, espaço social onde muitas pessoas convivem, aprendem e trabalham juntas.

No contexto escolar, a horta funciona como um laboratório vivo para a realização de diferentes atividades didáticas. Além de proporcionar uma grande variedade de alimentos a baixo custo, diversificando o cardápio, a iniciativa propõe um trabalho interdisciplinar, por meio do qual o professor pode tratar de diferentes conteúdos – ciência, saúde, meio ambiente, matemática etc – e, ainda, assegurar que crianças e jovens resgatem a cultura alimentar brasileira.

Mas como fazer uma horta? Como ela deverá ser cuidada? Quais hortaliças poderão ser cultivadas? Para responder a essas questões, a ECOLÓGICO se inspirou no “Manual para Escolas: Horta”, uma publicação do projeto “A Escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”, que faz parte de uma parceria do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília com o Ministério da Saúde, por meio de seu Departamento de Política de Alimentação e Nutrição da Secretaria de Políticas de Saúde.

Preparando a horta

O primeiro passo, aponta o documento, é procurar a orientação de um agrônomo ou um técnico agrícola. Se a instituição de ensino tiver algum professor, pai ou funcionário que já tenha conhecimento prático no cultivo de hortaliças, melhor ainda! O segundo passo é a escolha dos alimentos a serem plantados. Nessa hora, é importante que os alunos acompanhem o processo, pois, após o preparo dos canteiros, eles já podem cuidar do plantio e da manutenção da horta.

O local mais indicado para o cultivo de hortaliças deve ser um terreno plano, com boa luminosidade e longe de sanitários e esgotos. A terra também deve estar revolvida e é importante que a horta esteja localizada em um espaço com acesso restrito de pessoas e animais. E, claro, deve-se ter água disponível para irrigar e drenar as hortas.

Para realizar o preparo da terra e o plantio, será preciso a utilização de ferramentas, como enxada, regador, sacho (para abrir pequenas covas) e um carrinho de mão, para transportar a terra e o adubo. Mas, atenção: esse trabalho deve ser feito por um adulto, de forma cuidadosa. Também é indicado o uso de equipamentos de proteção individual como luvas e botas, pois alguns instrumentos podem causar ferimentos se mal utilizados. As crianças, no entanto, podem acompanhar o trabalho, mas devem manter distância durante o transporte e o manuseio das ferramentas.

Em seguida, é hora de preparar e adubar os canteiros, que devem ter dimensões de 1,20 m x 2 a 5 m. Depois de remexer a terra, eles podem ser demarcados com o auxílio de estacas e cordas. O ideal é que estejam a 50 cm de distância. As covas devem ser feitas, no mínimo, 18 dias antes do plantio e seu espaçamento varia conforme a hortaliça, com tamanhos padrões de 20 x 20 cm ou 30 x 30 cm de largura e de 20 a 30 cm de profundidade. Para o adubo, o manual dá uma ótima dica: “resíduos vegetais e animais, tais como palhas, restos de cultura, cascas e polpas de frutas, pó de café, folhas e esterco, quando acumulados, apodrecem com o tempo e se transformam em húmus, que é um composto natural”.

Cuidar é preciso

Fazer a manutenção de uma horta requer atenção e cuidado. Por isso, ela deve ser regada duas vezes ao dia, de forma que o solo não fique encharcado, evitando assim o aparecimento de fungos. Essa tarefa pode, inclusive, ser realizada por meio de um revezamento de turmas. “A horta tem que ser mantida limpa, as ervas daninhas e outras sujidades devem ser retiradas diretamente com a mão. A cada colheita, deve ser feita a reposição do adubo para garantir a qualidade da terra e das hortaliças”, orienta o manual.

Fique por dentro

Programa Cultivar, Nutrir e Educar

Uma iniciativa do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, promove a qualidade e a segurança alimentar e nutricional. Uma de suas ações é estimular hábitos alimentares saudáveis, realizar ações educativas e monitorar o estado nutricional dos alunos da rede estadual de ensino.

Programa Hortas Escolares e Comunitárias

Implantado pela Prefeitura de BH, através da Secretaria Municipal Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional, desenvolve e executa programas e projetos incentivando a agricultura urbana com foco na produção de alimentos. O programa estimula a criação de hortas em escolas da rede pública de ensino, hospitais, asilos, creches e outros.

Plantando hortaliças

Conheça, a seguir, informações de plantio e dicas de alimentos que

vão deixar a horta de sua escola ainda mais colorida e saudável:

Tomate

Melhor época de plantio: agosto a dezembro.

Colheita: 120 dias.

Tamanho da cova: 80 x 50 cm

Alface

Melhor época de plantio: todo o ano.

Colheita: 60 a 80 dias.

Tamanho da cova: 30 x 30 cm

Cenoura

Melhor época de plantio: entre maio e julho.

Colheita: 80 a 90 dias.

Tamanho da cova: 20 x 10 cm


Postar comentário