Educação ambiental lúdica

Usiminas promove educação ambiental de estudantes e comunidades em programa realizado dentro de área verde em Ipatinga
Publieditorial
Edição 119 - Publicado em: 17/09/2019

Encravada no coração de Ipatinga (MG), em pleno Vale do Aço, há uma floresta urbana. A área verde é o viveiro de mudas da Usiminas, palco de uma das mais concorridas ações de educação ambiental da empresa: a Aventura no Viveiro, promovida pelo Instituto Usiminas. A iniciativa, que integra o Projeto Xerimbabo, promove uma visita lúdica à reserva, com contação de histórias, passeio por trilhas e plantio de mudas.

Durante a atividade, também há um tempo dedicado ao apiário e à importância das abelhas para a polinização, o equilíbrio ecológico e a produção de alimentos. Os exemplos práticos são apresentados no pomar, onde os alunos têm a oportunidade de conhecer a origem das frutas encontradas em feiras, sacolões e supermercados.

Até mesmo a hora do lanche é de aprendizado, com frutas frescas e sucos das frutas vistas nas árvores. Os estudantes também têm a oportunidade de conhecer o trabalho do sementeiro, profissional fundamental para a manutenção e o crescimento da reserva. É ele que entra na mata em busca das melhores sementes das diversas espécies que são plantadas para a formação de novas mudas.

Responsabilidade social

O projeto é uma das ações promovidas pelo Instituto Usiminas que estreitam laços e reforçam a sua atuação em responsabilidade social nas comunidades onde a empresa está presente. A diretora do Instituto Usiminas, Penélope Portugal, afirma que o projeto Aventura no Viveiro, criado inicialmente para atender escolas, foi ampliado para o público em geral e ganha mais força dando oportunidade para famílias também vivenciarem essa experiência.

“Em cerca de três anos de atuação, o projeto se consolida como uma importante referência em educação ambiental e revela para a comunidade do Vale do Aço uma rica floresta, onde são cultivadas mudas num longo e contínuo trabalho da Usiminas de cuidado com o meio ambiente. Esperamos que mais pessoas sejam atendidas pela iniciativa a cada ano e possam aprender sobre preservação ambiental e a convivência equilibrada entre indústria e meio ambiente”, salienta a diretora.

Durante a Aventura no Viveiro, estudantes passeiam por trilhas, plantam mudas, visitam apiário e aprendem sobre a importância das abelhas para a polinização e o equilíbrio ecológico
Durante a Aventura no Viveiro, estudantes passeiam por trilhas, plantam mudas, visitam apiário e aprendem sobre a importância das abelhas para a polinização e o equilíbrio ecológico

Neste ano, escolas e a comunidade interessada em conhecer a iniciativa já podem se programar para participar das edições previstas para o segundo semestre. São nove datas disponíveis, entre visitas para escolas e famílias, e as vagas são disponibilizadas mediante agendamento. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo telefone (31) 98437-3330.

Os estudantes que passam pela Aventura no Viveiro aprendem sobre meio ambiente de maneira descontraída. Aluno da Escola Estadual Agripino Vilas Novas, Emannuel Gustavo Rodrigues Sousa, da cidade de Fernandes Tourinho, participou de uma sessão do projeto e se divertiu com a atividade de educação ambiental. “É muito legal descobrir de perto a natureza e as sementes que constroem uma floresta. Aprendemos que as árvores precisam de cuidados e, se preservarmos o meio ambiente, mais pessoas vão aproveitar a natureza por muitos anos.”

Fábrica de árvores

O viveiro de mudas da Usiminas começou a ser estruturado ainda durante a construção da empresa, na década de 1960. Uma área, já desmatada anteriormente, foi separada para replantio ao longo do tempo e, cerca de 60 anos depois, o que era pasto se tornou uma pequena floresta urbana. A criação oficial do viveiro ocorreu na década de 1980 e, hoje, o local é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), com cerca de 180 hectares de área.

Além da manutenção da área preservada, é no viveiro que, anualmente, milhares de novas mudas são produzidas para reforçar a área verde e substituir exemplares mortos ou danificados no próprio viveiro. As plantas cultivas são destinadas à recuperação de áreas degradadas, recomposição de matas ciliares, arborização urbana e também a quintais e jardins particulares, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida na região.

Somente em 2018, foram cerca de 26 mil mudas produzidas no viveiro da Usiminas. E, desde a sua criação, mais de 3 milhões de árvores cultivadas no espaço ajudaram a recuperar áreas e contribuíram para transformar a paisagem de Ipatinga em uma cidade com extensa área verde.

Saiba mais: usiminas.com


Postar comentário