“Ouçam as crianças”



Luciana Morais - redacao@revistaecologico.com.br
Páginas Verdes
Edição 113 - Publicado em: 23/11/2018

Suas criações chegam a mais de 30 países. Entre as revistas de histórias em quadrinhos mais vendidas do Brasil, dez levam sua marca e assinatura, totalizando mais de 1 bilhão de edições publicadas. Não por acaso, ele ostenta o título de maior formador de leitores do país, reconhecimento que também lhe rendeu, em 2012, a indicação como o sexto escritor mais admirado pelos brasileiros.

Aos 83 anos, completados agora em outubro, o cartunista e desenhista Mauricio de Sousa é o grande homenageado da nona edição do “Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade & Amor à Natureza”, cuja solenidade de entrega de troféus ocorrerá em 20 de novembro, em Belo Horizonte.

Mentor criativo de um verdadeiro império de entretenimento, ele é o ‘“pai” de Chico Bento, personagem que, ao lado do ambientalista Chico Mendes, retrata a importância da conscientização e da luta em prol da sustentabilidade, da água, da floresta e de todas as belezas naturais que nos cercam.

Exemplo de dedicação ao trabalho e inspiração para muitos, o criador da Turma da Mônica segue embalado pelas novas ideias e pelos bons sentimentos que, segundo ele, são o grande combustível da vitalidade.

E, para celebrar os 10 anos da Revista Ecológico e dar as boas-vindas aos nossos leitores e aos participantes da cerimônia em que ele será homenageado, relembramos aqui a entrevista exclusiva de Mauricio de Sousa, publicada em 2016, na qual ele afirma, com simplicidade e sabedoria: “Ouçam as crianças, que são puras e transparentes. É o que nós, adultos, deveríamos ser para sempre!”. Confira:

O senhor nasceu no interior de São Paulo. Como foi a sua infância: cresceu em contato com a natureza e os animais?

Minha infância foi em Mogi das Cruzes (SP). Lá, tomávamos banho de rio e pegávamos frutas nas árvores da rua. Contentávamo-nos com brinquedos fabricados por nós mesmos e isso fazia da infância um mundo bem mais criativo. O contato com a natureza era constante.

Qual é a sua visão/conceito de sustentabilidade?

Para mim, chegamos a um ponto da evolução em que se não tomarmos cuidado com o meio onde vivemos, preservando as florestas, os rios e o ar, acabaremos com os seres vivos sobre a face da Terra. E será (um caminho) sem volta.

Como avalia a percepção das crianças e adolescentes de hoje em relação à questão ambiental?

Acredito muito nessas crianças de hoje, pois sei que estão muito mais bem informadas do que as de gerações anteriores. Como comentei antes, muitas vezes são elas que ensinam os pais e os adultos a serem melhores. Por isso, penso que daqui a 20 anos as discussões ambientais terão outra “cara”, cada vez mais conscientes e preocupadas com o futuro da humanidade.

Na Conferência Rio+20 foram lançados o livro “Turma da Mônica – Cuidando do Nosso Planeta” e a revista “Turma da Mônica – Cuidando do Mundo”. Como foi a preparação do conteúdo dessas publicações, no que se refere à adequação da linguagem para tratar de temas como reciclagem de lixo, aquecimento global e consumo consciente para o público infantil?

Felizmente, temos uma boa equipe de pesquisa e prezamos a divulgação das informações corretas, pois sabemos que as próprias crianças acabam por cobrar dos adultos uma postura mais ecológica. Temos também revistas específicas tratando da sustentabilidade, como as citadas na pergunta, em nossas revistas de linha e até mesmo nas peças e shows da Turma da Mônica ao vivo.

Como embaixador do Instituto Trata Brasil, o senhor apoia o movimento em prol da melhoria do saneamento básico no país. Qual tem sido a sua contribuição nessa parceria?

Já fizemos uma primeira revista em quadrinhos, que está sendo distribuída em escolas, explicando a importância do saneamento básico para a saúde, a qualidade de vida e a sustentabilidade. Mas esse é um trabalho constante que o Trata Brasil vem desenvolvendo e outras ações certamente poderão ser desenvolvidas.

O senhor já disse que o personagem Horácio é seu alter ego. Que traços de sua personalidade e filosofia de vida estão presentes nele?

Eu gosto de todos os personagens, assim como um pai gosta de todos os seus filhos. Mas o Horácio tem realmente um pensamento humanitário e ecológico como o meu. E isso não é mera coincidência.

Tem algum animal de estimação?

Temos um cachorrinho de pouco mais de dois anos a quem demos o nome de Bidu. Foi um presente meu para a minha esposa, Alice Takeda. Também temos um tanque com várias carpas, inspirado em um jardim japonês.

O senhor completou 83 anos, tem muitos filhos, netos e bisnetos. Que valores norteiam a sua relação com a família?

Quero todos próximos na medida do possível. Nos fins de semana, por exemplo, procuro manter encontros com todos os que podem ir para a minha casa. Como tive dez filhos, 11 netos e agora três bisnetos, pode ter certeza de que a festa é boa!

Acredita em Deus, segue alguma religião?

Sou católico de criação. Mas, como tenho leitores de todas as religiões, acredito sobretudo na necessidade da fé.

Que recado deixa aos nossos leitores, a fim de contribuir para melhorar a relação entre as pessoas e a conservação do planeta?

Ouçam as crianças, que são puras e transparentes. É o que nós, adultos, deveríamos ser para sempre!

Chico Bento, o mais ecológico

Mais ecológico personagem da Turma da Mônica, Chico Bento é fruto das observações de seu criador sobre o homem do campo, morador do alto do Tietê, próximo a Mogi das Cruzes e ao Vale do Paraíba. Seu nome foi emprestado de um tio-avô de Mauricio de Sousa, que ele não chegou a conhecer, mas sobre o qual ouviu muitas histórias engraçadas, contadas por sua avó Dita, também retratada em quadrinhos.

Chico foi criado em 1961, mas sua primeira revista só foi lançada em agosto de 1982. Nela, até hoje, a Turma da Roça – formada por Rosinha (namorada de Chico), Zé Lelé, Hiro, Zé da Roça, a professora Dona Marocas, o padre Lino e vários outros personagens – vive histórias num ambiente divertido e pacato do interior.

Quando surgiu, nas tiras de jornal, Chico Bento era uma versão mirim de Jeca Tatu, personagem clássico do escritor Monteiro Lobato. Ele representa a pureza, a simplicidade e a simpatia que caracterizam as pessoas do interior. Mora na Vila Abobrinha, onde nada e pesca no rio, dorme na rede e brinca com os amigos. Tem carinho enorme pelos animais, como a galinha Giselda, o porquinho Torresmo e a vaca Malhada.

Em março de 2013, Mauricio homenageou a indicação do atual Papa Francisco. Em quadrinho publicado no Twitter, Chico, com seu tradicional sotaque caipira, comemorou: “Tô orguioso do meu nome! Acho qui o pessoar do Vaticano lê minhas historinha!”. Na verdade, a homenagem poderia ter sido em dose dupla. Afinal, o Papa Francisco é sucessor de Bento XVI, outro xará desse simpático personagem.

Homenagem do ano

Grande homenageado da nona edição do “Prêmio Hugo Werneck”, Mauricio de Sousa nasceu em 27 de outubro de 1935, em Santa Isabel (SP). Foi durante a infância em Mogi das Cruzes que teve seu primeiro contato com a natureza. Adorava tomar banho de rio, desenhar e rabiscar cadernos escolares. Mais tarde, seus traços passaram a ilustrar cartazes e pôsteres para comerciantes da região. Aos 19 anos, mudou-se para a capital paulista e iniciou sua carreira como cartunista.

Abordar a sustentabilidade nas revistas, vídeos e livros que edita para crianças e jovens foi um caminho natural para ele, desde 16 anos antes da realização da ECO-92 no Brasil, com a Turma da Mônica já abordando a questão ambiental.

A vocação para ensinar, orientar e informar, sempre de forma leve, ecológica e bem-humorada, colocou-o entre os mais admirados escritores e desenhistas do país e do mundo.