Mais água e verde para a vida

Atenta à importância de equilibrar a execução de suas atividades operacionais e a preservação do meio ambiente, CENIBRA segue investindo em programas de monitoramento de água, solo, fauna e flora. Com mais 103 mil hectares de matas nativas preservadas, empresa garante ainda a proteção de 4.500 nascentes
Cenibra
Edição 104 - Publicado em: 19/02/2018

O consumo crescente e o desperdício, a contaminação de mananciais vinculada à gestão ineficaz e as mudanças climáticas em escala global desequilibram a relação entre a oferta e a demanda de água doce em quantidade e qualidade para o uso humano.

Mas a falta de água afeta não só a saúde humana. Compromete também o equilíbrio ecossistêmico, o desenvolvimento socioeconômico do Brasil e o rumo das relações entre as nações. A crise hídrica em curso não se instalou de imediato nem está ligada a um setor produtivo em específico: é resultado de um longo processo e de diversos acontecimentos que contribuíram para o problema.

Entre eles, o uso irrestrito e irresponsável dos recursos hídricos, práticas de gestão ineficientes e a ausência de políticas públicas para a preservação desse recurso essencial à vida. É fundamental, portanto, que todos possam compreender que a solução deve ocorrer a partir de ações efetivas e de parcerias sérias, visando readequar o uso dos recursos hídricos na sociedade – por empresas, instituições e pessoas – aliado à sua devida recuperação e preservação.

Biodiversidade protegida

A CENIBRA, que comemora 45 anos de história em2018, pratica uma gestão ambiental que busca o equilíbrio entre a execução de suas atividades operacionais e a preservação do meio ambiente. Programas de monitoramento de água, solo, fauna e flora são desenvolvidos e contribuem para a definição de estratégias de conservação e proteção do patrimônio natural da empresa, composto por mais de 103 mil hectares de matas nativas.

Essa área – maior do que a exigida legalmente – é povoada por rica fauna silvestre e conta com diversos lagos e cursos d'água devidamente protegidos, com base em critérios legais. Outro importante serviço ambiental prestado pelas matas preservadas pela CENIBRA é a proteção de mais de 4.500 nascentes. Juntas, elas fornecem água limpa para as comunidades vizinhas da empresa, bem como mantêm ativa a rica biodiversidade local.

Diante do atual cenário de escassez, a empresa iniciou um processo de readequação do procedimento de captação de água, sem comprometer a disponibilidade hídrica para os demais usuários dos cursos d’água. De forma preventiva e solidária, a CENIBRA reduziu os pontos de captação e adequou o volume captado conforme a disponibilidade de água, a demanda para irrigação de plantio e para umectação das entradas para trafegabilidade e abatimento de poeira.


Capacitação e união

Graças a uma parceria entre a Associação dos Produtores Rurais da Agricultura Familiar de Santa Cruz (APRAFASC), o Instituto CENIBRA, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e o Sindicato Rural de Governador Valadares, em janeiro deste ano, produtores rurais do município de Periquito, no Vale do Rio Doce, participaram de um curso de recuperação e proteção de nascentes.

O objetivo foi capacitar profissionais de extensão rural e produtores, promovendo a troca de informações sobre as tecnologias aplicadas regionalmente. A parceria com o Instituto CENIBRA é uma ação efetiva no combate à crise hídrica e reflete ainda a união de esforços em prol da recuperação e proteção desse recurso vital à humanidade.

Também em janeiro, teve início na região do município de Peçanha a distribuição de mais kits para proteção e preservação de nascentes. Trata-se da continuidade do Programa da Recuperação Ambiental, uma parceria da CENIBRA com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), Emater, a Prefeitura Municipal de Peçanha e produtores rurais.

A meta é promover o aumento da disponibilidade hídrica e a melhoria da qualidade da água produzida na Bacia do Rio Suaçuí Pequeno, que nasce no município e é uma das principais fontes de abastecimento de água para a população de sua sede. Além de materiais para cercar os olhos d’água, os produtores rurais recebem ainda orientações sobre as técnicas de recuperação e proteção de nascentes, num exemplo de ação local que contribui para a um futuro mais seguro e sustentável, com ganhos coletivos.


Entenda melhor

* Com uma área de 21.555 km2, a Bacia Hidrográfica do Rio Suaçuí está totalmente inserida no Estado de Minas Gerais. É composta pelas bacias dos rios Suaçuí Grande, Suaçuí Pequeno e Corrente Grande e por áreas de drenagem de córregos menores, constituindo a maior das nove bacias que formam a macrobacia do Rio Doce.

* O Rio Suaçuí tem 300 quilômetros de extensão. Nasce na Serra do Espinhaço, no Parque Estadual do Pico do Itambé, no município de Serra Azul de Minas, onde recebe o nome de Rio Vermelho. Ao encontrar-se com os rios Turvo Grande e Cocais, na cidade de Paulistas, passa a se chamar Suaçuí Grande.

* O Rio Suaçuí Pequeno, por sua vez, tem suas nascentes no município de Peçanha e, o Rio Corrente Grande, em Sabinópolis.

* A Bacia do Rio Suaçuí é composta por 48 municípios, sendo 34 integralmente inseridos em sua área e 14, parcialmente. A população total da Bacia gira em torno de 591 mil pessoas, das quais 74% residem em áreas urbanas.

Fonte: CBH-Suaçuí/MG

Operação e manejo florestal

Fundada em setembro de 1973 e localizada no leste de Minas, a CENIBRA é controlada pela Japan Brazil Paper and Pulp Resources Development Co., Ltd. (JBP). Em sua unidade industrial no município de Belo Oriente (MG) opera duas linhas de produção de celulose branqueada de fibra curta de eucalipto, com capacidade instalada de 1,2 milhão de toneladas/ano. Mantém, ainda, três regionais de manejo florestal no estado (Guanhães, Nova Era e Rio Doce), um terminal portuário especializado, em Barra do Riacho (ES), e um escritório corporativo e comercial em Belo Horizonte.


Saiba mais:

www.cenibra.com.br

CONTEÚDO PATROCINADO


Postar comentário