Aécio e a sustentabilidade

Ao longo de sua trajetória e estrela, o governador de Minas Aécio Neves consolida sua liderança com os ambientalistas e a busca da sustentabilidade
Redação
Perfil
Edição 1 - Publicado em: 20/10/2008

Reeleito em 2006, com o recorde de mais de sete milhões de votos válidos (77% da confiança dos mineiros), além de zerar as dívidas públicas e modernizar a máquina administrativa, com a implantação de uma gestão de estímulos e resultados, um inegável feito de Aécio Neves foi priorizar e verticalizar de verdade a sustentabilidade em todos os níveis do Estado, considerado berço da luta ambiental no país. Antes dele e depois do avô materno, Tancredo Neves, que dizia quem “só quem é ortodoxo não gosta do verde”, somente dois governadores mineiros tiveram sensibilidade real para o tema: Aureliano Chaves que, além do Parque Nacional da Serra do Cipó, também criou os 14 parques urbanos na Região Metropolitana de BH (dos quais hoje só restaram os parques municipais Ursulina e Lagoa do Nado) e deu início ao atual Sistema Estadual de Meio Ambiente/Sisema, formado pela Feam, Igam e IEF, capitaneada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

E o senador Eduardo Azeredo, a quem os ambientalistas e o país todo hoje devem a idéia do ICMS ecológico. Mas foi em Aécio, sem dúvida, que a luta ecológica mais ganhou força, ganhou núcleos que também pensam a questão em todas as demais secretarias e órgãos de governo. Jovem, amigo pessoal de vários ambientalistas, de Hugo Werneck a Maria Dalce, com quem se encontra para se aconselhar e compartilhar planos, e com visão de futuro e estadista globalizado, sem perder o jeito de ser mineiro, tal como JK sonhou e realizou Brasília, ele declarou, usando a primeira pessoa do plural, quando reempossado: “No nosso governo, dentre outras realizações, quero que fique nos mineiros pelo menos isso: a consciência de que preservar o meio ambiente é uma obra que merece ser multiplicada e inaugurada todos os dias”. E o fez.

No dia 13 de agosto último, ao lado do secretário José Carlos Carvalho, como exemplo para outros estados e o próprio governo federal, além de sair na frente colocando Minas como o primeiro “Estado-Amigo da Amazônia, Aécio anunciou uma série de medidas transformando a legislação ambiental estadual na mais rigorosa do país. Isto inclui o gradativo “desmatamento zero” perante o setor florestal-siderúrgico, o fortalecimento da fiscalização, o estímulo à produção de energia limpa, a recuperação das matas nativas e a despoluição perseguida dos nossos rios, nascentes e demais cursos d´água do Estado, a exemplo do Rio das Velhas, onde se comprometeu a colocar um calção, mergulhar e nadar com os ambientalistas até 2010. Ações, enfim, que traduzem as idéias que ele tem e vem declarando sobre o assunto em toda sua trajetória política. Uma coerência ideológica, pragmática e contagiante que o ESTADO ECOLÓGICO pesquisou e selecionou aqui, neste Perfil inaugural. Toda revolução, pessoal e coletiva, já dizia Freud, começa antes na consciência, no campo das idéias. Acompanhe:

Governo - “O Rei Arthur fez uma mesa redonda, a távola redonda, que revolucionou a forma de governar. A mesa que simboliza o meu governo também é diferente. Ela só tem um lado. E nela ficam todos aqueles, governo, setor produtivo e sociedade organizada, que querem o desenvolvimento sustentável e a proteção da natureza.”

“O que dá sentido às minhas ações é a criação de bases sólidas para que nossos filhos e netos tenham uma vida melhor do que a que temos agora.”

Sustentabilidade

“Estamos solucionando o antagonismo que muitos julgavam existir entre desenvolvimento econômico e conservação ambiental. Isso é a confirmação de que podemos construir uma agenda comum e negociada para equilibrar a expansão produtiva com as exigências de conservação e recuperação do nosso patrimônio natural.”

Meio Ambiente - “A questão ambiental não pode mais funcionar como uma área estanque de governo.”

“Meio ambiente não é mais uma grife para ser incorporada em discursos.”
“Ou os governos e governantes fazem um planejamento de longo prazo, tendo a questão ambiental como base fundamental, ou eles vão continuar se iludindo e iludindo os outros.”
“Atingimos patamares de produção e consumo que se encontram bem acima da capacidade de regeneração natural do planeta. Isso significa a exaustão e o esgotamento de recursos naturais vitais à manutenção dos ecossistemas e à própria sobrevivência dos seres humanos.”

Produção limpa - “A produção mais limpa, o desenvolvimento de tecnologias poupadoras de recursos naturais e a reestruturação de nossa matriz energética em escala mundial, ao lado do consumo consciente, se colocam como premissas fundamentais à construção de um novo tempo e de uma nova ordem global.”

Rio-92 - “A atmosfera generosa que cercou a realização da RIO-92, iluminada pela crença de se construir um mundo melhor, nos deu a oportunidade de celebrar acordos e compromissos inéditos em relação ao meio ambiente.”

“Mas o alento despertado em 1992 vem se esvaindo progressivamente, na medida em que as nações, assoberbadas pelos seus problemas domésticos, se distanciam cada vez mais do espírito fraternal que a magia da solidariedade planetária fez surgir no Rio.”
“Assumimos novos compromissos, mas eles não se transformaram em novas condutas e em novas formas de promover o desenvolvimento e a proteção do meio ambiente na escala exigida pela magnitude dos problemas.”
“Essa realidade, embora preocupante, não pode ignorar os grandes avanços e iniciativas exitosas no campo da sustentabilidade. E reside aí a nossa esperança de que é plenamente possível construir um modelo de desenvolvimento verdadeiramente sustentável.”
“É absolutamente necessário revigorarmos o espírito do Rio.”

Brasil - “Ainda temos uma estrada enorme a percorrer. Mas não somos mais o Brasil de 20 anos atrás, quando íamos para o exterior, escondidos e envergonhados com o que fazíamos com a nossa natureza.”

“O Brasil adquiriu o respeito do mundo por sua postura ambiental. Hoje não podemos mais pensar no futuro sem contemplarmos a preocupação com o meio ambiente.”

Minas - “O que existe de beleza natural aqui em Minas ninguém tem. É uma irresponsabilidade não tratarmos com prioridade a preservação e a exploração sustentável deste patrimônio, transformando-o em emprego e renda para as comunidades do seu entorno.

“Vou cumprir o meu compromisso de transformar Minas no maior centro de ecoturismo do Brasil. Noventa e cinco por cento dos estrangeiros que vêm ao Brasil estão em busca da beleza natural que temos e ainda não aprendemos preservar.”

Desenvolvimento - “Chega de conflito e disputa entre meio ambiente e agricultura, por exemplo, que historicamente eram inimigos. Chega de postergarmos decisões, atravancarmos projetos limpos e importantes ou permitirmos, à política antiga, aqueles que poderão causar impactos. Esta é a visão do desenvolvimento sustentável, que temos e será um modelo a inspirar o Brasil.”

Vida humana - “Vivemos um daqueles períodos únicos da historia, nos quais somos sacudidos pelo choque de uma realidade nova e pungente. Começamos o século XXI e o terceiro milênio redescobrindo que a vida humana jamais será perpetuada se não estiver plenamente integrada ao ambiente natural do qual é parte inseparável, na medida em que o planeta é o lar dos homens e de todos os seres vivos.”

Amazônia - “A soberania da Amazônia está em nossas mãos e a melhor maneira de exercê-la é promovendo o seu desenvolvimento, sem prejuízos ao meio ambiente. Mas criando riquezas, gerando renda e emprego, através do melhor aproveitamento ecológico das áreas já desmatadas, do uso sustentável da biodiversidade e do imenso potencial de seus recursos naturais, sem a necessidade de derrubar a floresta.”

“Não podemos dar grande importância às eventuais ameaças à soberania da Amazônia vindas de fora. Elas fazem parte da retórica política e, certamente, esbarrarão na ordem jurídica internacional que protege a soberania dos estados nacionais. Se alguma ameaça pode existir, elas estriam dentro de nossas próprias fronteiras, em virtude da presença frágil do Estado brasileiro, da nossa incapacidade de conter o desmatamento e tolerar a ocupação desordenada da região.”

Otimismo - “Sou otimista. O otimismo faz a gente viver bem. Acho que a minha filha, como todas as futuras gerações, tem que estar preparada, desde agora, para as dificuldades que virão. O que nós podemos deixar para elas, no mínimo, é um mundo com mais consciência ecológica.”

“Que as pessoas larguem o imediatismo atual e compreendam que, até como alimento para a alma, é muito bom podermos construir obras que nós não veremos, pois toda obra ambiental, de preservação e de melhoria de nossa qualidade de vida, é uma obra para o futuro.”

Causa - “As pessoas que militam na área ambiental têm uma atuação política distinta e singular. Não as move a luta por interesses de grupos ou corporações, mas a defesa de valores. Elas lutam por uma causa.”

Missão - “Defender o meio ambiente é exercer a cidadania planetária. Somos todos habitantes de um pequeno planeta, uma poeira na imensidão infinita do universo. A proteção ao meio ambiente é missão de todos, porque, neste campo, tudo se relaciona.”

Complementação - “Desenvolvimento e proteção ao meio ambiente não são excludentes nem inconciliáveis, mas complementares.”

Previsão - “A questão ambiental pode se transformar em pesadelo para os anos vindouros se não tomarmos decisões firmes e bem direcionadas para assegurar a proteção dos nossos rios, de nossas florestas, da biodiversidade que nos sustenta e protege.”

Luta - “A luta dos militantes, daqueles que pesquisam, trabalham e somam esforços na área, ainda está longe do final. Ela é longa e áspera, mas não devemos esmorecer.”

Compromisso - “Nosso compromisso é com a sorte do planeta, com a vida e os direitos das gerações futuras.”

Estratégia - “A proteção do meio ambiente não é e nem pode ser tratada como uma política setorial. Seus objetivos perpassam literalmente todas as intervenções e políticas públicas.”

Alternativa - “Temos de gerar alternativas de emprego e renda para aqueles que encontram na degradação ambiental a única fonte de sua sobrevivência.”

Velho Chico - “Ou nos mobilizamos para despoluir o Rio São Francisco e livrá-lo dos esgotos que são lançados em suas águas, ou em um futuro não muito distante será apenas um retrato na parede, para utilizar a imagem do poeta.”

“Por esta razão, serenamente, mas com a altivez que naturalmente se eleva das nossas montanhas, continuaremos exigindo do Governo Federal uma nova postura em relação à transposição de suas águas.”


Postar comentário