> Notícias

Iclei BH: A banda toca na cidade. A música toca no mundo


font_add font_delete printer
Reciclagem gera emprego e renda Foto: Divulgação

Reciclagem gera emprego e renda Foto: Divulgação

20/06/2012 - por Marina Rodrigues - Revista ECOLÓGICO

Todos os conferencistas que falaram sobre a economia verde e inclusiva foram unânimes. E não poderia ser diferente: sem freio no consumismo insaciável e ilimitado, não tem como manter o mundo para as pessoas. Nem por isso são pessimistas. Trouxeram para público, exemplos de que é possível  equilibrar economia e ecologia. Mas, primeiro, listaram uma série de desafios. Um deles é o fenômeno das mega cidades. Os migrantes da zona rural estão nessas cidades: 75% da população mundial vive hoje  em centros urbanos. Daí surge uma nova classe média com  apetite de consumo  e que vai gerar  um grande  impacto ambiental. É aí que a conta não fecha se não houver uma economia verde inclusiva. E essa inclusão não pode ser apenas para garantir o direito ao consumo imediato.  Ela precisa prever o futuro que se faz  no dia a dia.

 PIB X FIB

Outro desafio é o PIB. Para a bióloga e gestora ambiental panamenha  Margarita Astralaga,  esse indicador não prevê a questão ambiental. E por isso, não considera a economia verde. Para ela,  é preciso  ter outros indicadores. Na Rio + 20, o indicador FIB – Felicidade Interna Bruta – foi tema de discussões. O modelo  inclui aspectos não monetarizadas como vitalidade comunitária, uso equilibrado do tempo, sustentabilidade de recursos naturais e bem estar humano.Países como o Butão, o Reino Unido, Tailândia e Canadá já utilizam o FIB. No Brasil, projetos pilotos usando esse indicador foram implantados em Angatuba, Itapetininga e Campinas no estado de São Paulo, em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, e no núcleo rural Rajadinha, em Brasília.

Cidades Possíveis

Para o francês Simon Upton, diretor  ambiental da OECD em Paris “as cidades não podem se isolar da biodiversidade”. Linkar essa premissa à  criação de empregos é factível. Exemplos? O de Hannover na Alemanha. A gestão  na cidade é baseada em nove itens. Um deles é  a autorização para a construção de novos prédios: ganha  quem utiliza melhor  os procedimentos sustentáveis. Em Dar Es Salaam, cidade da Tanzânia, país da África,com quatro milhões de habitantes, a reciclagem de resíduos caseiros e industriais está dando emprego a centenas de pessoas. E em Guiyang na China, também com quatro milhões de habitantes, o sistema se repete utilizando a mão de obra de seus moradores em cinturões verdes em torno da cidade e na reciclagem do lixo. Não importa a língua, a cor  ou a crença: essas cidades  estão tocando uma música que pode e deve ser ouvida em todo o planeta

Leia também sobre o Iclei BH:

Cidades para as pessoas

A banda toca na cidade. A música toda no mundo

Curitiba é exemplo brasileiro

A gestão das águas urbanas

 

 


Compartilhe




Outras Notícias