> Notícias

Borracha de pneu vira matéria-prima para móveis e construção civil


font_add font_delete printer
A utilização de 5% de partículas de borracha de pneu modificada superficialmente gerou melhorias nas propriedades físico-mecânicas e de isolamento térmico de ambos painéis avaliados. Foto:Pixabay

A utilização de 5% de partículas de borracha de pneu modificada superficialmente gerou melhorias nas propriedades físico-mecânicas e de isolamento térmico de ambos painéis avaliados. Foto:Pixabay

Material é preparado e reaproveitado para criar painéis de MDP e cimento-madeira

09/05/2018

 

No Brasil são produzidos cerca de 40 milhões de pneus por ano e quase metade dele é descartada. O material é, muitas vezes, armazenado de forma inadequada, servindo de criadouro para mosquitos como o Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Uma alternativa para o reaproveitamento desse material foi proposta em uma pesquisa do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Biomateriais, da Universidade Federal de Lavras (UFLA). A ideia foi usar a borracha do pneu para produzir painéis de MDP (Medium Density Particleboard) e cimento-madeira.

O MDP é um painel constituído de partículas de madeira e adesivos, os quais são submetidos ao processo de pressão e aquecimento. Seu uso é limitado a artigos de linha reta, tais como portas, prateleiras, gavetas, entre outros. Já os painéis cimento-madeira são muito usados na construção civil, em países como Alemanha, Japão e Rússia; no Brasil, sua fabricação ainda é limitada.

Propriedades da borracha

Segundo o pesquisador Alan Pereira Vilela, para a produção dos painéis MDP e cimento-madeira foi usada a madeira de Pinus oocarpa, uma espécie de pinheiro, em associação com partículas da borracha de pneu, modificadas com um tratamento chamado corona.

Esse processo consiste em usar uma descarga elétrica contínua de alta tensão e frequência, que aumenta a capacidade de umedecimento da borracha. Assim, ela fica mais aderente a outros materiais.

A utilização de 5% de partículas de borracha de pneu modificada superficialmente gerou melhorias nas propriedades físico-mecânicas e de isolamento térmico de ambos painéis avaliados.

O fato de o resíduo de pneu ser um material que não absorve água, também contribui de maneira positiva para o seu uso alternativo. “Esses MDP poderão ser usados na fabricação de móveis e, no caso do cimento-madeira, na construção civil, tais como casas pré-fabricadas, divisórias internas de ambiente, forros e pisos. É um material que proporciona melhor isolamento térmico do ambiente”, explica Alan Pereira.

Materiais alternativos

A fabricação de produtos com o uso de resíduos da reciclagem de pneus ainda é pouco empregada no mercado brasileiro, conforme afirma o professor Rafael Farinassi Mendes, do Departamento de Engenharia (DEG), orientador da pesquisa. Para ele, é fundamental que a ciência proponha alternativas ecologicamente corretas.

“Entre as vantagens de usar os pneus podemos destacar a adequada destinação do material – evitando o acúmulo de água e a ocorrência de doenças – bem como a agregação de valor, a oferta de novas fontes de matéria-prima e a obtenção de novas propriedades”, conclui.

Pesquisas com o uso de resíduos de pneus, tendo em vista seus diferentes tipos de aplicações, continuam sendo desenvolvidas pelo professor Rafael Farinassi e seus orientados de pós-graduação em Engenharia de Biomateriais. O próprio Alan Pereira, atualmente, desenvolve sua tese de doutorado com o aproveitamento de resíduos da extração de mineração para a criação de tijolos e outros materiais para a construção civil.
 

Fonte: Minas Faz ciência


Compartilhe




Outras Notícias