> Notícias

Pacarana é filmada pela primeira vez no Acre


font_add font_delete printer
Existem poucos registros em vídeo da pacarana; o WWF-Brasil obteve um no final de 2017. Foto: Leonardo Kerber

Existem poucos registros em vídeo da pacarana; o WWF-Brasil obteve um no final de 2017. Foto: Leonardo Kerber

Registro é resultado de monitoramento inédito, conduzido pelo WWF-Brasil no município de Xapuri

09/04/2018

 

Um grupo de Dinomys branickii – animal conhecido como “pacarana” ou “paca-de-rabo” - foi registrado em vídeo pela primeira vez na Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre.

O registro é resultado de um monitoramento inédito, conduzido pelo WWF-Brasil junto a vários parceiros no Acre, desde o fim do ano passado, analisando a fauna da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes, no município de Xapuri.

A pacarana é uma espécie com escassas informações científicas disponíveis. Há poucos registros dela na natureza e, segundo a lista da IUCN que mede o grau de risco de extinção de diversos animais, ela é classificada como “vulnerável”.

A caça e a destruição de floresta são as maiores ameaças a esse animal. No Brasil, ele já havia sido registrado antes no Acre, mas ocorre com mais frequência em países como Bolívia, Peru e Colômbia.

A pacarana é, atualmente, o único representante vivo da família de roedores conhecida por Dinomyidae. Esse grupo tinha grande diversidade de espécies e deu origem a alguns dos maiores roedores que já viveram na América do Sul.

Para o biólogo e analista de conservação do WWF-Brasil Felipe Avino, o registro dessa espécie é um indicativo de que a exploração da floresta e a manutenção da fauna podem coexistir.

“Como esse registro foi feito no interior de uma reserva extrativista, onde há exploração de madeira e castanha, ele demostra que é possível, desde que se obedeçam algumas regras, usar os recursos da floresta, fazer a exploração das riquezas e garantir que os animais continuem por ali e sofram poucos impactos”, explicou.

A Resex Chico Mendes foi criada em 1990 e tem mais de 950 mil hectares. A unidade se espalha por nove cidades do Acre e tem cerca de 10 mil pessoas morando em seu interior.

Armadilhas fotográficas

O registro em vídeo da família de pacarana só foi possível graças a um novo projeto que o WWF-Brasil vem conduzindo em florestas acreanas. No fim do ano passado, um conjunto de armadilhas fotográficas foi instalado no interior da Resex Chico Mendes.

Elas servem para monitorar a fauna daquela unidade de conservação e ajudar a qualificar a exploração madeireira feita pelos extrativistas. Para continuar extraindo e comercializando madeira, os responsáveis precisam provar que sua atividade econômica não provoca impacto na vida dos animais. E as câmeras ajudam nesse monitoramento.

Mais de vinte diferentes espécies de animais já foram flagradas pelas câmeras. Incluindo, além das pacaranas, tatus, veados, macacos-guariba, macacos-prego, jaguatiricas, gambás, jacamim-de-costas-cinzentas e cutias.

Fonte: WWF


Compartilhe




Outras Notícias