> Notícias

Estudo relaciona cultivo da moringa com intensidade da radiação solar


font_add font_delete printer
Suas folhas podem ser consumidas frescas em saladas ou em pó, podendo dessa forma ser adicionada a sucos, sopas e outros alimentos para se obter seus benefícios. Foto:Divulgação

Suas folhas podem ser consumidas frescas em saladas ou em pó, podendo dessa forma ser adicionada a sucos, sopas e outros alimentos para se obter seus benefícios. Foto:Divulgação

Espécie é usada pelas indústrias farmacêutica, alimentícia, de cosméticos e ainda na produção de biodiesel

09/04/2018

 

A espécie Moringa oleifera, popularmente conhecida como moringa ou acácia-branca, é uma árvore nativa da Índia. Com hábito de crescimento rápido, tem grande utilidade para o ser humano devido ao seu alto valor nutricional, sendo bastante empregada nas indústrias farmacêutica, alimentícia, de cosméticos e na produção de biodiesel.

Suas folhas podem ser consumidas frescas em saladas ou em pó, podendo dessa forma ser adicionada a sucos, sopas e outros alimentos para se obter seus benefícios. Por seus inúmeros usos, o interesse pelo cultivo da moringa e os estudos sobre ela têm aumentado bastante, principalmente por ser uma planta tolerante à seca, usada inclusive para conter a erosão dos solos. 

Em pesquisa de doutorado da Universidade Federal de Lavras (UFLA), intitulada “Relações da radiação no crescimento e teor e compostos fenólicos em plantas de Moringa Oleifera”, Raphael Reis da Silva avaliou o desempenho fisiológico, o crescimento e o acúmulo de compostos fenólicos em plantas de moringa, em função da alteração na qualidade e intensidade da radiação solar.

“Sabe-se que a radiação emitida pelo sol é a nossa principal fonte de energia, diretamente responsável também pela manutenção da vida na terra. E, em última análise, é a força motriz de todos os processos fisiológicos nas plantas. O experimento foi feito durante cinco meses, em condições parcialmente controladas em casa de vegetação.”

Segundo o pesquisador, os resultados obtidos mostraram que as plantas cultivadas em pleno sol apresentaram menor crescimento em altura e acumularam maior parte da biomassa seca no sistema radicular. Já as moringas cultivadas em ambiente protegido, sob malhas de sombreamento, tiveram maior crescimento em altura e melhor partição de biomassa seca.

 

Fonte: Universidade Federal de Lavras


Compartilhe




Outras Notícias