> Notícias

O beija-flor que sabe guardar segredos


font_add font_delete printer
As vocalizações desse pequeno pássaro, com pouco mais de 12 centímetros de comprimento, encontrado em toda a Mata Atlântica e países platinos, ainda não haviam sido documentadas. Foto: Ana Lucia Melo

As vocalizações desse pequeno pássaro, com pouco mais de 12 centímetros de comprimento, encontrado em toda a Mata Atlântica e países platinos, ainda não haviam sido documentadas. Foto: Ana Lucia Melo

Pequeno pássaro emite sons que, provavelmente, outras aves são incapazes de ouvir

13/03/2018

 

Um som diferente chamou a atenção dos pesquisadores que estudavam beija-flores, no Museu de Biologia Professor Mello Leitão, no Espírito Santo. No início, eles chegaram a pensar que poderia ser uma perereca ou um algum inseto.

Mas depois descobriram que o responsável por aquele som extremamente agudo, difícil até de escutar, era na verdade o beija-flor-preto (Florisuga fusca). Esse pequeno pássaro emite sons que outras aves provavelmente são incapazes de ouvir.

As vocalizações desse pequeno pássaro, com pouco mais de 12 centímetros de comprimento, encontrado em toda a Mata Atlântica e países platinos, ainda não haviam sido documentadas. Havia um registro sem muitos detalhes no próprio museu. Já o naturalista Augusto Ruschi sugeriu que esses pássaros emitissem sons acima da faixa percebida pelo ouvido humano, pois conseguia ouvi-los cantar, mas não identificava os sons.

Após o encontro na Serra do Mar, os pesquisadores resolveram voltar ao local com equipamentos mais adequados, usados em estudos com morcegos, e conseguiram registrar as vocalizações e acabaram com o mistério.

Eles descobriram que os beija-flores-pretos emitem sons em frequências incomuns, bem acima da de outros pássaros. Os resultados do estudo foram publicados na revista científica Current Biology.

“Essas vocalizações são rápidas e em tons altos que de fato eles não parecem com sons típicos de pássaros tropicais”, afirma o brasileiro Claudio Mello, professor na Oregon Health and Science University.

Para os pesquisadores, ao emitir sons tão agudos, de duas uma: ou esse beija-flor não escuta o que está cantando ou, o que é mais provável, desenvolveu um canal privado de comunicação na floresta, onde vivem centenas de outras espécies de pássaros, entre elas diversos beija-flores. Eles acreditam ainda que os beija-flores-pretos tenham um órgão vocalizador, siringe, incomum, capazes de vibrar muito rapidamente e com uma composição especial.
 

Fonte: O Eco


Compartilhe




Outras Notícias