> Notícias

Oficina relaciona ciclo lunar e sentimentos femininos


font_add font_delete printer
Oficina pretende ajudar mulheres a entenderem as conexões entre os ciclos menstrual e lunar. Foto: Rodrigo Azevedo / CC BY-SA

Oficina pretende ajudar mulheres a entenderem as conexões entre os ciclos menstrual e lunar. Foto: Rodrigo Azevedo / CC BY-SA

Proposta, durante Festival de Verão, é estimular mulheres a usarem a mandala lunar como instrumento de autoconhecimento

1/2/2018

O modo como as fases da lua interfere no humor e no comportamento das pessoas sempre intrigou os astrólogos. A oficina ‘Eu vivo sempre no mundo da lua’, que integra a programação do 12º Festival de Verão da UFMG, pretende desvendar esse mistério. O objetivo da atividade é ajudar as participantes a entenderem como os ciclos lunares influenciam na vida das mulheres, além de ensiná-las a usar a mandala lunar como ferramenta de autoconhecimento.

Segundo a professora Márcia Lousada, que vai ministrar a oficina, os diferentes ciclos lunares interferem nos sentimentos, comportamentos e atividades cotidianas das mulheres. “O calendário lunar permite que a mulher se conheça melhor. Em uma experiência pessoal, comecei a usá-lo e vi que as fases da lua estavam relacionadas aos momentos e sentimentos pelos quais eu passava. A mulher é um ser cíclico, e a lua também, daí a semelhança”, explica.

A professora acrescenta que as fases do ciclo menstrual estão ligadas às fases da lua. “Cada mulher é única e se comporta de maneira diferente durante o ciclo menstrual. Mas todas vivem esse período e podem usar o calendário à sua maneira, descobrindo os seus padrões de comportamento".

A oficina só aceita inscrições de mulheres, mas, segundo Márcia Lousada, os fundamentos do calendário lunar também podem ser aplicados aos homens. “Em experiências anteriores, vimos que as mulheres se sentiam desconfortáveis em falar do ciclo menstrual e de sentimentos íntimos na frente dos homens, por isso essa oficina será dedicada a elas. Mas o comportamento e o modo como os homens se sentem ao longo do mês também estão ligados às fases da lua”, explica.

A oficina será dividida em três momentos. Inicialmente, as participantes debaterão sobre a relação que mantém com a lua. Depois, elas vão conhecer o calendário lunar e suas diferenças com o calendário gregoriano. Na última etapa da atividade, as participantes vão aprender a usar a mandala lunar.

“A mandala pode ajudar as mulheres a se conectarem consigo mesmas. A sociedade cobra que sejam boas donas de casa, mães, esposas e profissionais. O calendário lunar as ajuda a entender que esse lugar idealizado não é real. Todas as mulheres têm momentos bons e ruins. Precisamos aprender que a variação de humor e de comportamento é normal”, conclui Márcia Lousada.

O Festival de Verão, que será realizado de 5 a 8 de fevereiro, tem como tema ‘Universos expandidos’. A ideia é chamar a atenção para a forma como o conhecimento expande a existência e a própria percepção que se tem dela.

Serviço

Festival de Verão Astrologia

Oficina: Eu vivo sempre no mundo da lua

Público-alvo: mulheres de 18 a 40 anos.

Período: 5 a 8 de fevereiro de 2018

Horário: 13h às 17h

Carga horária: 16 horas

Vagas: 20

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Sala 2 (Praça da Liberdade, 700)
 

Fonte: UFMG


Compartilhe




Outras Notícias