> Notícias

Conferência debate redução dos riscos de desastres naturais no México


font_add font_delete printer
A Conferência visa mostrar como os países podem melhorar a disponibilidade e o acesso a esses múltiplos sistemas de alerta precoces - Foto: Unicef

A Conferência visa mostrar como os países podem melhorar a disponibilidade e o acesso a esses múltiplos sistemas de alerta precoces - Foto: Unicef

Por Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque

Autoridades de governos e especialistas do mundo inteiro participam esta semana de duas conferências sobre redução do risco de desastres naturais e sobre sistemas de alerta contra eventos climáticos extremos, em Cancún, no México.

Nesta segunda-feira (22/05), tem início a Conferência que debate como salvar vidas e reduzir as perdas em relação à mudança climática associada ao clima extremo e a mudanças demográficas.

Perigos

Segundo a ONU, isso significa que um número recorde de pessoas está exposta a enchentes, ondas de calor e outros perigos. Por isso, é mais importante do que nunca a implementação de um sistema melhorado de alerta e melhor coordenação para a redução do risco de desastres.

O encontro dos próximos dois dias vai culminar com a "Plataforma Global para a Redução do Risco de Desastres 2017", que começará na próxima quarta-feira (24/05).

O representante especial do secretário-geral para o assunto, Robert Glasser, afirmou que "os eventos climáticos extremos têm um peso muito grande nos países de média e baixa rendas, principalmente minam os esforços para erradicar a pobreza".

Compreensão

Segundo ele, a abordagem de um sistema de alerta para vários tipos de perigo serve de apoio à mudança e à resiliência climáticas com benefícios econômico e operacional.

O secretário-geral da Organização Mundial de Meteorologia, OMM, Petteri Taalas, explicou que apesar de um consenso geral sobre como o clima deve ser, há, frequentemente uma falta de compreensão sobre o que o clima pode fazer ou causar.

Taalas deu como exemplo um ciclone tropical como um perigo climático único. Ele gera uma "cascata de impactos", incluindo fortes ventos, aumento do nível mar por causa da tempestade e inundações na região litorânea.

Segundo o chefe da OMM, isso vai gerar uma resposta dos coordenadores de desastre, companhias de transporte e serviço público, dos setores de saúde e educação e da sociedade civil.

Mais de 80% dos desastres naturais estão relacionados ao clima e à água. A Conferência sobre Redução dos Riscos de Desastre tem como objetivo mostrar como os países podem melhorar a disponibilidade e o acesso a esses múltiplos sistemas de alerta precoces.


Compartilhe




Outras Notícias