> Notícias

Plantas brasileiras recém-descobertas correm perigo


font_add font_delete printer
Bertolonia macrocalyx - Imagem: Cláudio N Fraga

Bertolonia macrocalyx - Imagem: Cláudio N Fraga

14/03/2017

O Brasil é reconhecido pela riqueza de sua flora. São quase 50 mil espécies já identificadas e o número não para de crescer. Duas novas plantas da família Melastomataceae (a mesma das quaresmeiras e manacás-da-serra), foram descobertas recentemente no Espírito Santo: Bertolonia duasbocaensis e Bertolonia macrocalyx. Mesmo recém-descritas, ambas estão criticamente ameaçadas de extinção, se considerados os critérios da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN). Apesar de serem espécies com necessidades específicas, o pesquisador responsável conta que algumas unidades foram encontradas fora de áreas de conservação.


O trabalho de identificação e classificação das plantas é tão complexo e longo quanto o nome do projeto do qual faz parte: “Diversidade da flora vascular e status de conservação das espécies endêmicas em três unidades de conservação da Floresta Atlântica Montana no estado do Espírito Santo”. Este é mais um dos quase 1.500 projetos financiados pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Desde que foi criada, em 1991, a Fundação já contribuiu com a descoberta de mais de 50 espécies de vegetais, por meio deste tipo de apoio.


Renato Goldenberg, pesquisador responsável pela descoberta e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), afirma que as espécies foram encontradas em 2009, mas só agora puderam ser descritas. “A partir de então, tivemos que comparar essas duas plantas com as outras espécies já identificadas do gênero Bertolonia, cerca de 15, para termos certeza de que eram novas. Tivemos que acessar materiais de outros herbários, inclusive de fora do Brasil”. A publicação do artigo com as informações confirmadas sobre as plantas aconteceu em novembro de 2016, no PeerJ, publicação online especializada em ciências biológicas e médicas.

Novas espécies de flora são descobertas no Espírito Santo

Bertolonia duasbocaensis - Imagem : Renato Goldenberg  

Tanto a Bertolonia duasbocaensis (cujo nome remete à Reserva de Duas Bocas) quanto a Bertolonia macrocalyx, são tão desconhecidas que não têm nomes populares. “Essas plantas são pequenas, com folhas de formato arredondado e um fruto triangular”, descreve Goldenberg. O professor ressalta que elas precisam de condições específicas para sobreviver, como locais muito úmidos em barrancos e fundos de grotões – cavidades formadas em relevos desnivelados –, sempre sob cobertura florestal densa.
 

“Se a floresta não estiver bem preservada, essas são as primeiras plantas que desaparecem”, destaca o pesquisador. “Alguns exemplares foram encontrados na Reserva Ecológica de Duas Bocas, em Cariacica, que é uma área protegida. Porém, outras estavam em regiões alteradas nos arredores da reserva, e isso é incrível”, exclama. Goldenberg comenta que a Mata Atlântica no Espírito Santo já foi severamente agredida e acredita que outras plantas tenham desaparecido antes de serem descobertas na região.

Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, destaca a importância de projetos como esse. “Conhecer as diferentes espécies da flora do nosso país é o primeiro passo para conservá-las. Esse tipo de descoberta nos mostra o quanto a nossa biodiversidade é rica e o quão importante é investir no meio científico”, conclui.

 

 


Compartilhe