> Edições Anteriores > A esperança na parede > ECOLÓGICO NAS ESCOLAS

Terça, 22 de março de 2016

Uma ameaça silenciosa

Causada por fatores que envolvem variações climáticas e atividades humanas, a desertificação tem repercussões social, econômica e ambiental. Boas práticas de uso e conservação do solo são saídas para interromper e reverter o processo de degradação

Luciana Morais - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
Uma ameaça à segurança alimentar, a desertificação impacta o rendimento das colheitas, a produção de água e a conservação das paisagens - Imagem: Domínio Público

Uma ameaça à segurança alimentar, a desertificação impacta o rendimento das colheitas, a produção de água e a conservação das paisagens - Imagem: Domínio Público

Definida como um processo cumulativo de degradação ambiental passível de ocorrer nas zonas de clima seco de todo o mundo, a desertificação é causada por diversos fatores que envolvem variações climáticas e atividades humanas. E requer ações de mitigação urgentes.

No Brasil, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA), são 1.488 municípios suscetíveis a esse fenômeno, que necessitam de boas práticas para interromper e reverter o processo de degradação. O Semiárido brasileiro, com quase um milhão de quilômetros quadrados, é a região com mais áreas afetadas – particularmente nos estados do Nordeste –, além de alguns núcleos em Minas Gerais.

A desertificação ameaça a segurança alimentar, pois reduz continuamente a superfície das terras agricultáveis e o rendimento das colheitas, fazendo com que moradores do campo se mudem para novos territórios em busca de melhor qualidade de vida. Afeta, portanto, as condições ambientais, econômicas e sociais de uma região ou país, comprometendo a produtividade do solo, os serviços ambientais (como a produção de água e a conservação das paisagens), interferindo no equilíbrio de toda a biodiversidade.

Estudos feitos pelo MMA indicam que as áreas suscetíveis à desertificação englobam 16% do território brasileiro e 27% do total de municípios, envolvendo mais de 31 milhões de habitantes, exatamente no polígono em que se concentra 85% da população mais carente do país. Atualmente, estima-se que uma área maior que a do estado do Ceará já tenha sido atingida pela desertificação de forma grave ou muito grave.

São seis os Núcleos de Desertificação do Semiárido onde o processo de deterioração dos solos se encontra em estágio avançado: Seridó (PB e RN), Cariris Velhos (PB), Inhamuns (CE), Gilbués (PI), Sertão Central (PE) e Sertão do São Francisco (BA), correspondendo a 200 mil km2.

 

Os grandes vilões

O desmatamento é uma das práticas que contribuem para a degradação de terras e a desertificação. Em especial na Caatinga, expondo os solos ao sol, à água e ao vento, favorecendo assim a erosão. A agropecuária sem manejo adequado dos solos é outra causa de estragos, abrindo espaço para a erosão, que leva ao empobrecimento do solo e, consequentemente, ao maior escoamento superficial e ao assoreamento dos cursos d’água.

A criação de gado (pecuária) também é vilã. O pisoteio contínuo de animais compacta o solo e dificulta a regeneração da vegetação. A todos esses fatores, soma-se ainda o manejo inadequado dos sistemas de irrigação, que podem levar à salinização dos solos. As áreas brasileiras suscetíveis à desertificação caracterizam-se por longos períodos secos, seguidos por outros de intensas chuvas. Em MG, elas compreendem mais de 50 cidades localizadas no Vale do Jequitinhonha e no Norte do estado.

A baixa fertilidade natural dos solos e a topografia acidentada que caracterizam boa parte do Jequitinhonha e do Norte de Minas reduzem ainda mais a capacidade de suporte das pastagens e aumentam a ocorrência de erosão. Extensas florestas plantadas com eucalipto e a produção de soja em regime de monocultura também degradam inúmeros terrenos, assim como o garimpo rudimentar de ouro e de diamante e a exploração de ardósia e de quartzo.

Recuperação e gerenciamento

Com sede em Campina Grande, na Paraíba, o Instituto Nacional do Semiárido (Insa), criado em 2004, desenvolve uma série de estudos sobre a dinâmica do processo de desertificação, contemplando diferentes aspectos. Entre eles, destacam-se as estratégias de recuperação e gerenciamento das áreas afetadas.

Um dos programas desenvolvidos pelo Insa, órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), é voltado para o monitoramento sistemático da desertificação e se fundamenta em dois focos. O primeiro é o estabelecimento de uma linha de investigação de base científica consistente e rigorosa sobre a situação dos processos de desertificação no semiárido.

Já o segundo visa à geração de informações consistentes, sistematizadas e acessíveis a diferentes públicos-alvo, favorecendo a criação de políticas públicas adequadas e a elaboração de modelos de utilização que promovam a conservação e a sustentabilidade dos recursos naturais em toda a região semiárida brasileira.

Acordo internacional

Instituída na França em 17 de junho de 1994, a Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação (UNCCD, na sigla em inglês) é um acordo internacional que vincula juridicamente o meio ambiente e o desenvolvimento à gestão sustentável dos solos. Em vigor desde 1996, ela foi ratificada pelo Brasil por meio do Decreto Legislativo nº 28, de 13 de junho de 1997. Ela é um importante resultado da implementação da Agenda 21 e trata especificamente das zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas, onde podem ser encontrados alguns dos ecossistemas mais vulneráveis. Já o “Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação (PAN-Brasil)”, de 2005, visa identificar os fatores que contribuem para a desertificação e as medidas de ordem prática necessárias tanto ao seu combate quanto à mitigação dos efeitos da seca.

Imagem: Reprodução

Fique por dentro

O Semiárido brasileiro se estende por oito estados do Nordeste – Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe – e pelo norte de Minas Gerais.

As regiões semiáridas representam quase 1/3 da superfície do planeta. Abrigam mais de um bilhão de pessoas e são responsáveis por quase 22% da produção mundial de alimentos.

São áreas importantes pela extensão de terras, pelo contingente populacional e potencial econômico, bem como pelos desequilíbrios que podem provocar no clima e na biodiversidade, quando mal manejadas.

Apesar do grande potencial produtivo dessas regiões, uma série de fatores históricos e estruturais vem condicionando os padrões de organização social e exploração dos recursos naturais ali encontrados, provocando perdas econômicas e ambientais significativas, destruindo a produtividade da terra e contribuindo para o aumento da pobreza.


Continue lendo...

Três perguntas para Alexandre Pereira de Bakker, pesquisador titual III do Instituto Nacional do Semiárido 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição