> Edições Anteriores > Crimes sem castigo > Ensaio Fotográfico

Segunda, 14 de maio de 2018

Na trilha do Doce

Livro da Lucca Cultura e Tecnologia resgata manifestações culturais das populações ribeirinhas e a beleza natural do rio após a tragédia de Mariana

J. Sabiá - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
Rio Doce e Governador Valadares:

Rio Doce e Governador Valadares: "vigiado" pelo Pico do Ibituruna e presença constante

As cores e a música que embalam o Batuque de Roda, em Santa Maria de Itabira, e o Congado de Nossa Senhora do Rosário, em Ipatinga (MG). O queijo e o requeijão produzidos em Antônio Dias, no Vale do Aço. A goiabada de Ponte Nova, na Zona da Mata. O artesanato, o crochê, a fé, o sorriso do povo simples. E, como cenário, as paisagens naturais do Rio Doce e seus afluentes depois do rompimento da Barragem de Fundão, da Samarco, em 2015.

Todas essas riquezas mineiras estão registradas no livro “Na Trilha do Rio”, projeto idealizado em 2013 e realizado pela Lucca Editora e pelo Ministério da Cultura, com apoio do Instituto BioAtlântica e patrocínio da Copasa e da Cenibra. Quinze cidades da Bacia do Rio Doce (Ponte Nova, Nova Era, Antônio Dias, Timóteo, Coronel Fabriciano, Ipatinga, Ipaba, Belo Oriente, Naque, Periquito, Governador Valadares, Tumiritinga, Conselheiro Pena, Resplendor e Aimorés) foram visitadas pelos organizadores do livro para identificar e registrar produções artísticas, gastronômicas, manifestações religiosas e costumes das populações ribeirinhas.

“A lama da barragem levou sonhos, vidas, álbuns de retratos, histórias e a alegria de muitos. E o que permanece, apesar da dor, da perda, da incerteza? Na Trilha do Rio Doce foi buscar respostas. Decidimos acreditar no projeto e sair pelo rio em busca do que ainda existe e sempre existirá”, afirmou a editora Silvana Terenzi, que também é publicitária e especialista em Gestão Cultural.

O principal critério que permeou o trabalho, aponta Silvana, foi a escolha de alguns dos municípios que margeiam o Rio Doce e seus afluentes. Seguindo as águas, eles encontraram muito mais: a tradição mineira que resiste. “Doces, hóstias, carros de boi, fogueira de São João, batuque, violão, coroação e também teatro, música, dança, emoção. Trilha percorrida em busca da valorização, permanência, preservação e continuidade desses saberes. Tudo continua dentro de cada um. Esse é o legado.”

Na Trilha do Rio, que tem textos de Maria Alice Braga, é um livro que todo mineiro deveria ler. Ele mostra que a nossa cultura transcende o tempo, assim como o nosso respeito e cuidado com o meio ambiente.

Confira

Fotos de José Israel Abrantes e Guilherme Bergamini

 

 

 

 

 

 

 

Saiba mais

A Lucca Cultura e Tecnologia é uma empresa sintonizada com a arte, a cultura e com os avanços da tecnologia. Há 17 anos no mercado, atua no desenvolvimento e na coordenação de propostas para empresas interessadas em manter uma política cultural condizente com seus objetivos de comunicação. Além de formatar projetos culturais junto às leis de incentivo, a Lucca também tem expertise na produção e desenvolvimento de produtos editoriais.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição