> Edições Anteriores > A segunda expulsão do paraíso? > Encarte Especial Fiemg (10)

Quarta, 18 de abril de 2018

Compromisso empresarial



font_add font_delete printer
MARINA GROSSI:

MARINA GROSSI: "O brasileiro que mora em prédio nem sabe quanto gasta com água mensalmente"

Durante o Fórum, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) lançou o “Compromisso Empresarial para a Segurança Hídrica”. Pelo menos 18 empresas assinaram o documento e se comprometeram com a gestão responsável da água, com a promoção da eficiência hídrica nas indústrias e com o combate ao desperdício. São seis compromissos, norteados em três pilares: disponibilidade, uso e destinação da água.

“Diante da realidade de escassez que estamos vendo, é preciso que não somente as indústrias façam a sua parte. Mas também o governo, promovendo o saneamento, e os próprios cidadãos, que deveriam ser conscientizados sobre a importância de usar água racionalmente”, afirmou Marina Grossi, presidente do CEBDS.

“O compromisso é o primeiro passo para a criação de uma plataforma, na qual as empresas irão compartilhar suas melhores práticas e oferecer à sociedade transparência sobre a utilização da água em suas atividades”, explicou, acrescentando que a plataforma ficará como um legado do Fórum e poderá servir de base para influenciar outras empresas a também adotarem medidas inspiradas nas experiências relatadas. Entre as instituições signatárias estão Anglo American, Ambev, Braskem, Ecolab, Aegea, CPFL Energia, CPFL Renováveis, Eletrobrás, BRK Ambiental, Grupo Boticário, Heineken, Natura, Vedacit, Coca-Cola, New Steel e Unilever.

Nas redes sociais, o CEBDS lançou a campanha  #TodosJuntosPelaÁgua. Segundo Marina, o objetivo é mostrar que a responsabilidade do uso da água é de todos e não só do setor empresarial e da agricultura, por exemplo. “No Brasil ainda há muito desperdício: a cada 100 litros de água coletados e tratados, em média, apenas 63 litros são consumidos. Ou seja, 37% da água no Brasil é perdida, seja com vazamentos, roubos e ligações clandestinas, falta de medição ou medições incorretas no consumo, resultando num prejuízo de R$ 8 bilhões.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição