Quarta, 18 de abril de 2018

O Segredo da Água

Roberto Francisco de Souza (*) - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

Acabo de ouvir o Dr. Dj. Patil, matemático e cientista da computação norte-americano, explicar que tudo são dados. Tudo, quero dizer, todos os problemas do mundo, segurança, saúde, educação e, concluo, água! Faz todo o sentido do mundo pensar assim, que a tecnologia está mudando a nossa vida e mudando para melhor.

Dizia William Edwards Deming, grande estatístico estadunidense:

“Não se gerencia o que não se mede,

não se mede o que não se define,

não se define o que não se entende,

e não há sucesso no que não se gerencia.”

No nosso planeta big data, saber o que acontece com as águas vai salvá-las. Desenvolver meios de limpar os mares e os rios, preservar as nascentes, mapear tudo o que acontece onde nosso bem mais importante nasce e deságua é o que importa. Água, meu amigo, é energia! Corria 1970 e o poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu:

“Em Israel, minha primeira pátria

(a segunda é a Bahia)

desertos se transformam em jardins

em pomares, em fontes, em riquezas.

E não é por milagre:

obra do homem e da tecnologia.”

 

Corria 1970, entendeu? Quarenta e oito anos atrás nosso poeta se espantava com a tecnologia criando desertos molhados. Sabe o que aconteceu de lá para cá? Uma revolução, meu amigo. Só que nossos governos parecem não se importar com isso. Não entendem os dados. Não entendem a estatística e, por isso, não gerenciam. Você sabia que o esgoto de sua casa pode sair limpinho de volta para os rios? E sabia que podemos produzir energia suficiente para tirar água do mar e beber o quanto quisermos e que Israel, sempre Israel, já faz isso?

O “Dia Mundial da Água” bem podia ser o “dia da tecnologia da água”, porque o homem pegou os recursos hídricos do planeta e sujou, sujou, sujou... E agora precisa limpar, limpar, limpar.

Não faltam exemplos de sucesso e não faltam possibilidades; certo que falta vontade!

Vamos nos pôr a caminho de Jerusalém, da terra onde, em se plantando, não dava nada e agora dá. Arregacemos as mangas. Liguemos nossos computadores e recolhamos os dados. Vamos entender, definir, medir e gerenciar a água! É só assim, com a mágica dos bits, que, não por milagre, vamos construir um jardim para nossos filhos.

 

(*) CEO & Evangelist da Kukac Plansis, fundador do Arbórea Instituto

Saiba mais

Tech Notes

1.Tratando água em pequena escala

goo.gl/ovHQuJ

2. Quem é Dj. Patil?

goo.gl/Kx6St3

 3. Sempre Israel

goo.gl/bccDqw

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição