> Edições Anteriores > Esperança em vitro > Natureza Medicinal

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

Rosmaninho

Marcos Guião * - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

" -Madalena, você vai lá pra baixo dos últimos canteiros de sua horta e busque um maço de rosmaninho (Lippia rotundifolia) na entrada daquela matinha e faça um chá das folhas. Você vai dormir como criança."

Passava da meia-noite quando o celular tocou. Acordei esbaforido tentando distinguir o que estava acontecendo e custei a associar aquele barulho alucinante com o telefone. Já ligado na possibilidade de ser alguma notícia maligna, atendi com os pelos do pescoço eriçados. Num primeiro momento, não consegui identificar quem seria o insano que ligava naquela hora prum morador da roça. Mas aos poucos deu ponto de clareza ao ouvir a voz anasalada do outro lado da linha.

- Aqui é a Madalena de Honório. Tá lembrado de mim? Depois que respondi com um grunido,

ela continuou: - Pois é, tô com uma insônia danada, num drumo por nada deste mundo. Já tem semana que num prego os zóios. Cê podia me indicá uma pranta, que desse jeito nessa situação... Já tomei muita cidreira mas num deu jeito.

Madalena é uma mulher muito simples, moradora lá na comunidade das Abóboras, lavradora e mãe de uma penca de filhos. Certamente, ela tava descabeceada por demais pra tá me ligando naquele horário reclamando de insônia. Trouxe-me à memória a casa onde ela morava e as plantas que havia visto lá na última visita, que ainda num tinha se passado um mês. Estiquei um pouco o proseio na buscação de uma solução, perguntando se havia acontecido algo diferente que pudesse ter detonado essa crise de insônia. Daí passei a ouvir os soluços entrecortados por algumas palavras soltas:

- É Manuel que se foi... Tá na capital... Diz que quer fazer vida lá... Mas ele só tem 16 ano... Se foi com Josias meu irmão... Ele mora lá... Honório num deu ligança... Mas ele é só um menino... Tava explicada a razão de tanto alvoroço. Pacientemente fui dando corda e a fazendo ver que tava tudo bem, este é o ritmo da vida. Cria-se os filhos e eles se vão na primeira oportunidade. Mas e a insônia? O que fazer naquela altura da madrugada? Depois de confortar e ouvir suas preocupações maternas, dei de achar solução pro problema. - Madalena, você vai lá pra baixo dos últimos canteiros de sua horta e busque um maço de rosmaninho (Lippia rotundifolia) na entrada daquela matinha e faça um chá das folhas. Você vai dormir como criança.

- É o “pedestre”?

Depois de confirmar, ela agradeceu muito, se desculpou pela hora, justificou os motivos novamente e finalmente desligou. Daí quem não conseguiu conciliar o sono novamente fui eu... Os dias se passaram e, quando penso que não, dei-me com Madalena lá na venda de Mariquinha. Perguntei pela insônia e ela se desmanchou em agradecimentos e na exaltação do chá de “pedestre”.

- Pois olha que a gente tem o remédio ali na pareia do quintal e num se dá por ele. Foi só tumar o chá, que deu precisão de Honório me sacudir pra acordar.

Também deu notícias de Manuel, que já tava fichado numa firma e muito feliz, deixando ela mais confortada.

Pois é... a vida é assim.

Inté a próxima lua!

(*) Jornalista e consultor  em plantas medicinais.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição