> Edições Anteriores > A Terra pede paz! > Memória Iluminada

Terça, 05 de dezembro de 2017

“A guerra do futuro será ecológica”

Ninguém explorou e amou tanto os mares e oceanos do planeta quanto Cousteau

Redação - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
O Guardião dos Mares foi mais que um pioneiro da preservação marinha: também atuou na resistência ao nazismo, na década de 1940, e, nos anos 1980, no combate aos testes nucleares.

O Guardião dos Mares foi mais que um pioneiro da preservação marinha: também atuou na resistência ao nazismo, na década de 1940, e, nos anos 1980, no combate aos testes nucleares.

Ninguém explorou e amou tanto os mares e oceanos do planeta quanto Cousteau
 

Este ano, completaram-se duas décadas desde que o oceanógrafo francês Jacques-Yves Cousteau foi navegar nos mares da eternidade. Também pesquisador, fotógrafo e cineasta, foi ele quem primeiro documentou explorações marítimas a bordo de seu navio, Calypso, que hoje infelizmente se encontra em péssimo estado de conservação em um estaleiro de Concarneau, França. Tudo isso por conta de uma disputa judicial, entre a segunda esposa e os dois filhos do primeiro casamento do oceanógrafo, que vem impedindo que a embarcação, considerada patrimônio cultural da França, seja revitalizada.

Cousteau nasceu em Saint-André-de-Cubzac, vilarejo de pouco mais de 10 mil habitantes localizado no sudoeste da França, em 1910. Faleceu em 1997, vítima de infarto. A paixão pelo mar surgiu na infância: começou a mergulhar aos 10 e, três anos depois, comprou sua primeira câmera de filmagem. Chegou a estudar na Escola de Aviação Naval, mas abriu mão da carreira depois de um acidente automobilístico. Sua missão era o mar.

Teve grande importância para a prática do mergulho. Quando foi oficial da marinha francesa, Cousteau criou, junto com o engenheiro Émile Gagnan, o aqualung – revolucionário tanque de ar comprimido composto por tubo de ar, válvula e respirador –, que permitiu mergulhos autônomos e com mais segurança. A primeira ida de Cousteau ao mar com o equipamento foi uma experiência marcante: “Quando mergulhamos, sentimo-nos como se fôssemos anjos. Libertamo-nos do nosso peso”, contou ele em uma entrevista.

Ninguém explorou e amou tanto os mares e oceanos do planeta quanto o explorador francês. Sua contribuição para a preservação da biodiversidade marinha pode ser conferida por meio de nove longas-metragens, 120 documentários (“O Mundo Silencioso”, de 1956, foi vencedor do Oscar) e mais de 50 livros lançados sobre o mundo submarino.

Mais recentemente, a história de vida de Cousteau foi retratada no filme “A Odisseia”, do diretor Jérôme Salle, lançado em junho último.

Para homenagear a obra e a importância de Jacques Cousteau para a conservação marinha, a Ecológico selecionou algumas de suas frases e pensamentos mais marcantes. Relembre conosco:

 

Natureza

“É a única que faz grandes coisas sem  esperar nada em troca.”

“Nunca a natureza disse uma coisa  e a sabedoria disse outra.”

“O verdadeiro inimigo da natureza  é o caçador de animais.”

 

Amazônia

“Hoje, o mundo está preocupado com a guerra nuclear, mas essa ameaça vai desaparecer. A guerra do futuro será entre os que defendem a natureza e os que a destroem. E a Amazônia vai ficar no olho do furacão. Cientistas, políticos e artistas desembarcarão aqui para ver o que está sendo feito com a floresta.”

Mergulhar

“Eu costumava sonhar que estava voando. Era uma tentativa clássica de me afastar da realidade da Terra. Mas desde que eu mergulhei, parei de sonhar. O mergulho é a sensação mais fabulosa que se pode experimentar. Sinto-me infeliz quando estou fora d’água. É como se você tivesse entrado no Paraíso e, de repente, se vê de volta à Terra.”

 

Desenvolvimento insustentável

“Nós estamos vivendo em uma sucessão interminável de absurdos impostos pela lógica míope de pensar a curto prazo.”

“A água e o ar, os dois fluidos essenciais para toda forma de vida, tornaram-se latas de lixo globais.”

 

Morte

“Aceito a morte não apenas por ser inevitável, como também construtiva. Se não morrêssemos, não apreciaríamos a vida.”

Século XX

“Ao longo da história, o homem teve de lutar contra a natureza para sobreviver. Neste século, ele está começando a perceber que, para sobreviver, deve protegê-la.”

“A humanidade provavelmente fez mais dano à Terra no século XX do que em toda a história humana anterior.”

Peixe

“A melhor maneira de observar um

peixe é ser um.”

Vida

“A vida é um trânsito e o mundo é uma sala de espetáculo, onde o homem entra, olha e sai.”

Liberdade

“O homem leva o peso da gravidade em seus ombros. Mas basta ir ao fundo do mar

para se sentir livre.”

Cientista

“O que é um cientista, afinal? É um homem curioso que olha através de um buraco da fechadura, o buraco da fechadura da natureza, tentando saber o que está acontecendo.”

Oceanos

“Eu disse que os oceanos estavam doentes a cada ano, mas eles não vão morrer. Não há morte possível lá – sempre haverá vida.”

Filmes

“A única ambição dos filmes que faço é mostrar a verdade da natureza.”

Terra

“Nós temos de amar a Terra. Só quando amamos algo é que o protegemos.”

Mar

“Muitas pessoas atacam o mar. Eu faço amor com ele.”

“No mar não há passado, presente e futuro. Só a paz.”

Cura

“A verdadeira cura para os nossos problemas ambientais é entender que o nosso trabalho é salvar a Mãe Natureza.”

Esperança

“O mar, o grande unificador, é a única esperança do homem. Agora, como nunca antes, a velha frase tem um significado literal: estamos todos no mesmo barco.” 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição