> Edições Anteriores > Vitória que rege > INFORME PUBLICITÁRIO

Segunda, 07 de agosto de 2017

Plantar para não secar

Escassez de água em um dos principais reservatórios da Região Metropolitana de BH demanda ações de recuperação ambiental para manter capacidade de abastecimento e serviços básicos à população

redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
Hoje com 32% de seu volume total, Reservatório Serra Azul chegou a ter apenas 5,7% de sua capacidade durante a crise hídrica de 2015. Foto: Arquivo Copasa

Hoje com 32% de seu volume total, Reservatório Serra Azul chegou a ter apenas 5,7% de sua capacidade durante a crise hídrica de 2015. Foto: Arquivo Copasa

O Projeto Plantando o Futuro, com apoio da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, vai plantar 250 mil mudas de árvores nativas e recuperar 48 nascentes de afluentes do Ribeirão Serra Azul, localizado na Grande BH. Serão investidos cerca de R$ 2,1 milhões na intervenção ambiental.

A iniciativa é fruto de um projeto piloto proposto em 2015 pela Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana, visando recuperar e proteger mananciais da sub-bacia do Serra Azul, situada nos municípios de Mateus Leme, Igarapé e Itaúna. O Serra Azul foi escolhido devido à forte queda de oferta de água pelo ribeirão, que deixou o reservatório com apenas 5,7% de sua capacidade durante o ápice da crise hídrica, há dois anos.

Para executar o projeto, a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), coordenadora do Projeto Plantando o Futuro, lançou, em maio deste ano, um edital de concorrência pública, que teve como vencedora a empresa Siriema Produtos Ambientais Ltda.

De acordo com o contrato firmado, a Siriema será a responsável pela realização dos plantios e replantios, quando necessários, bem como manutenção e cercamento de nascentes. Já a Codemig responderá pela avaliação e fiscalização do contrato. 

Ao longo de 2016, a Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana e o Plantando o Futuro promoveram reuniões com a participação de representantes das prefeituras e da população de Mateus Leme, Igarapé e Itaúna. Durante todo o ano, foram firmados mais de 100 termos de adesão de proprietários rurais interessados em receber os plantios de mudas e a proteção de olhos d’água em suas terras.

Atualmente, o processo de diálogo com as comunidades e o poder público municipal continua em curso e as áreas registradas alcançam, aproximadamente, 150 hectares. Segundo o plano de trabalho da Siriema, que já está produzindo as mudas, os plantios devem começar a ser feitos no próximo período chuvoso.

 

Proteção e qualidade

O Ribeirão Serra Azul, junto com o Rio Manso e a Represa Vargem das Flores, compõe o Sistema Paraopeba, responsável pelo abastecimento hídrico de 50% da Região Metropolitana de BH. Embora a temporada de chuvas de 2016 tenha aliviado a situação de escassez hídrica, o Serra Azul ainda é o reservatório que apresenta a menor capacidade do Sistema Paraopeba, com apenas 32,3% de seu volume total, registrados em julho deste ano.

Para proteger o manancial e melhorar a qualidade da água do Serra Azul, o Governo de Minas criou, por meio do decreto 20.792 de julho de 1980, a Área de Proteção Especial (APE) Manancial Serra Azul. Ela é classificada como Unidade de Conservação de Uso Sustentável e protege uma área de 27 mil hectares. Desse total, 3.200 hectares são de responsabilidade da Copasa. Além de ser um dos principais formadores do reservatório Serra Azul e afluente do Rio Paraopeba, o Ribeirão Serra Azul também é subafluente do Rio São Francisco. 

 

Fique por dentro:

Atualmente, conforme informações da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad), há restrições de uso e captação no Ribeirão Serra Azul (Estação Jardim) e nos rios Pará (Estação Carmo do Cajuru) e Brumado (Estação Entre Rios de Minas). Como consequência da declaração de escassez hídrica, foi determinada a redução de:

- 20% do volume diário outorgado para as captações destinadas ao consumo humano, dessedentação animal e abastecimento público;

- 25% do volume diário outorgado para irrigação;

 - 30% do volume diário outorgado para consumo industrial e agroindustrial e 50% para as demais finalidades e usos.  

 

Saiba mais:

www.codemig.com.br

www.plantandoofuturo.mg.gov.br

 

 


Leia mais:

O valor que a natureza tem

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição