> Edições Anteriores > O impeachment natural > PRÊMIO HUGO WERNECK

Segunda, 05 de junho de 2017

Maior premiação ambiental do Brasil

A oitava edição do Prêmio Hugo Werneck terá como tema “A Terra pede Paz”. E irá homenagear o casal Sebastião Salgado e Lélia Wanick

J. Sabiá - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

Desde que foi criado, em 2010, o “Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade & Amor à Natureza” premiou 111 projetos, instituições e pessoas em todo o Brasil. Foram mais de 800 inscrições e indicações recebidas, contemplando todas as regiões brasileiras, e abrangendo ações exemplares em preservação da flora, fauna e da gestão responsável e sustentável do ar e da água.

Este ano, sob o tema “A Terra Pede Paz!”, a premiação reconhecerá cidadãos, projetos e instituições que desenvolvem iniciativas sustentáveis capazes de contribuir para a promoção da paz, por meio de um planeta mais verde, preservado, socialmente mais justo e ecologicamente correto. Um mundo biodiverso e humanizado. Uma humanidade menos egoísta e violenta. Uma sociedade mais solidária e amorosa para com o próximo e a natureza.

As inscrições e indicações à maior premiação ambiental brasileira focada em sustentabilidade terminam no dia 21 de julho próximo, às 23h59. Este ano, há uma novidade: elas devem ser feitas exclusivamente pela internet por meio do preenchimento completo do formulário de “Inscrição” ou de “Indicação” no site  www.premiohugowerneck.com.br.

 

Hugo e o casal Sebastião e Lélia, responsável pelos registros mais audaciosos, importantes e esperançosos, a exemplo de "Genesis", sobre o estado ambiental do planeta

 

Pacifismo Ecológico

“A cultura da paz é muito importante para estimular a conscientização ambiental. Adotando e multiplicando atitudes e valores éticos, como o respeito, a igualdade e o amor ao próximo e à natureza, nós ainda podemos transformar o mundo em um lugar melhor para todos”, afirmou o jornalista Hiram Firmino, diretor da Revista Ecológico e coordenador da premiação.

Inspirado no ativismo amoroso de  Hugo Werneck – um dos precursores do ambientalismo brasileiro –, o prêmio é fundamentado em três critérios: “conhecer”, “gostar” e “cuidar”. O primeiro, porque realmente é preciso conhecer, de maneira científica e vivencial, os mecanismos de funcionamento e autoperpetuação da natureza. Segundo, que só a partir do contato que é possível nos fazer gostar do meio ambiente que nos dá vida e protege. Já o cuidar fala por si: precisamos dar o exemplo, respeitando a natureza e seus ciclos, e recuperando-a quando necessário.

Esses critérios são os mesmos que nortearam com sucesso e credibilidade, durante nove anos, o “Prêmio Minas Ecologia”, do Caderno Estado Ecológico, do jornal ESTADO DE MINAS, em parceria com a Fiemg e a Amda. E, posteriormente, o “Prêmio Brasil de Meio Ambiente”, promovido pela Revista JB Ecológico, do JORNAL DO BRASIL, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Idealizado pela Revista Ecológico em conjunto com o Sindiextra, em 2010, o “Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade” tem participação do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e do Governo de Minas, através da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e seus órgãos colegiados (Igam, IEF e Feam). Tem a parceria do Ibram e os Sistemas Fecomércio MG/Sesc/Senac e Fiemg/Sesi/Senai. A supervisão técnica da Fundação Dom Cabral. A legitimação do Centro Hugo Werneck de Proteção à Natureza. O apoio da Associação Mineira de Defesa do Ambiente (Amda). O engajamento da Fundação SOS Mata Atlântica. E, ainda, a fé e esperança no desenvolvimento realmente sustentável e amoroso.

 

Homenagem do Ano: Sebastião Salgado e Lélia Wanick 

O casal na Fazenda Bulcão, em Aimorés (MG), onde foram recuperados mais de sete mil hectares de Mata Atlântica. Foto: Ricardo Beliel  

 

O casal terra

Sebastião Salgado é daquelas pessoas que tudo vê. De olhos plugados no universo ao seu redor, não perde um instante, um detalhe. Conta histórias pelo olhar. O fato de ter nascido perto de Aimorés, no Vale do Rio Doce, e ter se tornado referência internacional por meio do Instituto Terra, ao transformar a Fazenda Bulcão - uma área superior a 7.000 hectares, degradada pela pastagem de gado e herdada pela família, em um recanto preservado de Mata Atlântica -, dá uma ideia de sua delicadeza no trato com a ecologia natural e humana. Esse trabalho, inclusive, é amorosamente desenvolvido na companhia da esposa Lélia.

“Uma das razões que me levou a dedicar parte da minha vida a fotografar a natureza é o meu profundo amor por nosso planeta. Um amor que consegui descobrir, desenvolver e nutrir através do projeto de recuperação da Mata Atlântica que minha mulher Lélia e eu iniciamos em Aimorés”, disse ele, em uma de suas entrevistas.

Natural de Vitória (ES), Lélia é formada em Arquitetura e Urbanismo e conheceu Sebastião quando cursavam a Aliança Francesa. Sabe aquele ditado que diz que “atrás de um grande homem sempre há uma grande mulher”? Ele não se enquadra quando estamos falando de Lélia – ela não cansa de dizer que sempre esteve “ao lado” de Tião, com quem tem dois filhos.

São mais de quatro décadas de casamento – na vida e nos negócios. É Lélia quem dirige o escritório do fotógrafo em Paris e que organiza as exposições internacionais do marido. Também edita os livros com as fotos extraordinárias de natureza que ele faz e o acompanha na maioria das viagens.

Sebastião e Lélia serão os grandes homenageados do “Prêmio Hugo Werneck 2017”. Dois seres humanos que fazem a diferença no mundo. Que compartilham sonhos em comum, que os levam para longe. E que moram em Aimorés, na capital francesa e onde a natureza mais distante precisar deles.

Será um privilégio, enfim, estar com eles no dia 26 de outubro, quando serão conhecidos os vencedores, este ano, da maior, mais jornalística e amorosa premiação ambiental do país. 

 


 

Leia mais:

A natureza de Lélia. Casada há 50 anos com o fotógrafo e ambientalista mineiro mais famoso do mundo, Lélia Wanick Salgado é: densa, inteligente, companheira de vida, amor e profissão

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição