Quarta, 26 de abril de 2017

Oh, Minas Gerais! Quem te conhece, não esquece jamais!

Memorial Vale inicia exposição itinerante “Mineiridades”, que percorrerá sete cidades do Estado para reforçar, ainda mais, os valores, a tradição e a essência de ser mineiro

J. Sabiá - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
Cada cidade que receber a exposição terá um edital de fotografias, que posteriormente resultará em uma mostra no Memorial, em BH, com as imagens vencedoras - Imagem: Divulgação

Cada cidade que receber a exposição terá um edital de fotografias, que posteriormente resultará em uma mostra no Memorial, em BH, com as imagens vencedoras - Imagem: Divulgação

Sou mineiro e, portanto, um bocado suspeito para falar de Minas Gerais. A cada lugar que viajo pelo meu Estado, mais se fortalece a minha sensação de pertencimento: sinto-me em casa, seja na cidade seja no campo. Acredito que isso acontece porque “Minas são muitas”, como certa vez escreveu o mestre Carlos Drummond de Andrade. E, dentro dela, também são muitas as memórias, as pessoas, as histórias, as tradições, as religiosidades e tantas preciosidades culturais que são comuns à nossa história.

Quem visita o Memorial Vale, na Praça da Liberdade – indiscutivelmente o coração verde e cultural da capital mineira – tem a oportunidade gratuita de resgatar a essência do que é ser mineiro e passear pelos momentos mais importantes da história de nosso Estado, que é mostrada no museu. Mas aqueles que ainda não puderam visitá-lo, agora também terão a chance de experimentar essa viagem cultural ao interior de nós mesmos na sua própria cidade.

Trata-se da exposição “Memorial Vale Itinerante Mineiridades”, que já chegou a Nova Lima, na Região Metropolitana de BH, primeira parada do roteiro. Desde 16 de março, a mostra está aberta ao público no hall da Prefeitura Municipal. A população terá a chance de vivenciar a mesma sensação de quem visita o museu. Os sons, as imagens e os aromas de salas como “Barroco Mineiro”, “A Fazenda Mineira”, “Caminhos e Descaminhos” e “Jequitinhonha” estão lá, à espera dos filhos de Minas e também de outros estados, para despertar memórias afetivas. Virtualmente, eles ainda poderão acessar o acervo completo do Memorial Vale por meio de um totem.

Depois de montada em Nova Lima, até o final de abril, a exposição segue para Brumadinho (maio a junho), Ouro Preto (junho a julho), Itabirito (agosto a setembro), Congonhas (setembro a outubro), Itabira (outubro a dezembro) e Santa Bárbara (dezembro de 2017 a janeiro de 2018), cidades que têm sua história ligada à mineração, assim como é o Estado que a leva no próprio nome.

Em cada lugar que “Mineiridades” passar, informações sobre a história da cidade e de seus moradores serão incorporadas, valorizando, assim, também a cultura local.

“A exposição leva conhecimento sobre parte da história de Minas Gerais e também interage com cada município por onde circulará, pois há um vitrine de memórias de cada cidade, depoimentos de moradores sobre o que é ser mineiro e uma programação temporária associada com atrações da localidade.  O objeto maior da iniciativa é ampliar o acesso à cultura das comunidades abarcadas”, afirma Wagner Tameirão, gestor do Memorial Minas Gerais Vale.

É como diz a poesia atemporal de Drummond: “Ser mineiro é ser religioso e conservador, é cultivar as letras e artes, é ser poeta e literato. É gostar de política e amar a liberdade. É viver nas montanhas, é ter vida interior. É ser gente”.

 


Um museu de experiências

O Memorial Minas Gerais Vale é dividido em três pavimentos. São 31 salas que misturam cenários virtuais e reais e levam o visitante a interagir com questões que perpassam toda a história de Minas, do século XVIII ao XXI. Aberto em 2010, o prédio que abriga o Memorial Vale era a antiga sede da Secretaria do Estado da Fazenda de Minas Gerais. A edificação histórica, tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG) é datada de 1897 e marca o local onde foi lançada a pedra fundamental da cidade. A seguir, conheça alguns dos ambientes do museu:

Caminhos e descaminhos

Minas tem muitos caminhos. No passado, eles levavam os viajantes e comerciantes às riquezas do Estado enfrentando o clima e a paisagem áspera, passando por montanhas e vales, tendo a companhia do sertão. Hoje, nosso Estado oferece ao homem moderno trilhas ainda à sua espera. Na sala “Caminhos e Descaminhos”, os visitantes conhecem alternativas de turismo ecológico no Estado e são convidados a se reconectar à rica natureza mineira.

Barroco Sagrado e Profano

O espaço é formado por um telão oval, ornamentado por uma borda dourada com detalhes suntuosos. Além dos vídeos que mostram o pensamento, a filosofia, a paixão e a fé no coração dos homens, em meio à representatividade da arte barroca, o espaço é acarpetado e permite que os visitantes possam assisti-los sentados. Na tela, música, teatro, cotidiano e devoção se unem para mostrar como o barroco influenciava a fé do povo mineiro, sempre conduzido e iniciado na educação dos valores e fundamentos da religião cristã.

Memorial Minas Vale na Praça da Liberdade em BH

Imagem: João Nitro Rosa

A fazenda mineira

Para a concepção do espaço, Gringo Cardia, responsável pelo projeto de curadoria e museografia do Memorial Vale, utilizou elementos que fazem parte do cotidiano das fazendas – de fôrmas de bolo a arados, cantis e moringas de barro a móveis rústicos. Detalhe: os objetos estão fixados no teto e na parede do espaço, simbolicamente fazendo com que o visitante se sinta mesmo em um ambiente rural.

Saiba mais
www.memorialvale.com.br

 

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição