Segunda, 24 de abril de 2017

Lixo como geração de energia

A produção de biogás desponta como uma fonte alternativa de energia e também como solução que beneficia vários aspectos econômicos, sociais e ambientais no país

Iaçanã Woyames - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

A geração de energia elétrica a partir do biogás produzido pela decomposição do resíduo orgânico ou dejetos de animais tem sido apontada como solução ambiental, técnica e financeiramente viável para as próximas décadas no Brasil. Trata-se de um segmento que entra definitivamente no planejamento energético oficial e que tem grande potencial de desenvolvimento.

 A Associação Brasileira de Biogás e Biometano (Abiogás), por exemplo, considera que o potencial nacional é de cerca de 71 milhões de metros cúbicos de biometano, sendo 50 milhões de m³ no setor sucroenergético, 15 milhões de m³ no setor de alimentos e 6 milhões de m³ no setor de saneamento básico, resíduos sólidos e esgotos domésticos. Isso equivale ao consumo de 44% do diesel ou 73% do gás natural consumido no país.

Para o presidente da Abiogás, Cícero Bley Jr., o biogás é uma fonte limpa e renovável, mas ainda negligenciada no Brasil. “Há que se considerar também que o biogás ocorre em situação descentralizada, com grande impacto positivo na economia local e regional, não necessita de investimentos em redes de transmissão, transporte ou de distribuição, ou pode utilizar integralmente a logística do Gás Natural Comprimido (GNC) e ainda pode ser injetado em gasodutos de distribuição. Outro aspecto importante é que o biogás é produzido com a digestão anaeróbica de resíduos orgânicos de qualquer origem, que, de forma organizada, são submetidos como substratos para processos de biodigestão anaeróbica.”

Cícero reforça ainda que o biogás é um combustível gasoso utilizável na geração de energia elétrica, térmica ou automotiva, que geradas com biogás reduzem emissões de gases do efeito estufa, notórios agentes do aquecimento global. “No caso da energia elétrica é importante destacar que a geração com biogás é considerada energia elétrica de base, ou seja, contínua, ao contrário de outras energias renováveis, que são intermitentes. As centrais termoelétricas a biogás, quando têm disponibilidade excedente de biogás, podem se transformar em centrais flex, produzindo biometano para uso como combustível na mobilidade urbana e rural.”

 

Energia no Brasil

Alexandre Alves, diretor da Inseed Investimentos, reforça que o contexto energético brasileiro é a principal resposta pela crescente demanda pelo biogás, já que ele passa pela mais profunda mudança de sua história. “O elevado preço da tarifa de eletricidade é um dos fatores representativos no chamado “custo Brasil”, que vem se tornado ainda maior nos últimos três anos. Isso se deve aos altos custos da geração térmica a gás natural e óleo diesel, que chegam a ser de 10 a 20 vezes superiores ao da geração hidráulica. Outro problema grave para parte do mercado é a falha na entrega de energia, isto é, a interrupção no fornecimento. Ela tornou-se recorrente nos últimos tempos e, de maneira geral, é um índice que piorou nas concessionárias, seja por insuficiência na geração ou por problemas na distribuição. Além do transtorno no período da falta de energia, com eventuais paradas de produção, para muitos setores as consequências são ainda maiores”, relata.

Para ele, entre as alternativas consideradas para diversificar a atual matriz energética e mitigar parcialmente os problemas vividos pelo consumidor, está a geração distribuída, que passou a ser discutida com maior intensidade no Brasil próximo ao final de 2000 e cujas iniciativas de governo começaram a ser implementadas no início da década atual. “Dentro desse contexto tem-se as fontes renováveis, com destaque para a solar fotovoltaica, eólica e o biogás, que vem ganhando papel de destaque.”

Guilherme Richter, Leonardo Mauro Jr., Bruno Richter e Fábio França: o empreendedorismo na CHP é sustentável - ZBR Fotografia

Combustível limpo

O biogás é um combustível limpo, de fonte renovável, proveniente da decomposição de matéria orgânica e que possui propriedades semelhantes ao do gás natural. Segundo a Abiogás, a produção traz benefícios econômicos, ambientais e sociais.  Para o produtor ou empresário, ele poderá utilizar energia elétrica ou térmica gerada pelo biogás para o abastecimento interno de sua propriedade ou empresa, fazendo com que o consumo de lenha ou eletricidade caia drasticamente.

Além disso, poderá receber créditos ao fornecer energia para a rede. Há ainda a possibilidade de geração de biometano, biocombustível que pode ser usado em veículos convertidos a GNV (Gás Natural Veicular), deixando de consumir diesel ou gasolina, cortando custos. E o biofertilizante proveniente da transformação do biogás também poderá ser reaproveitado ou vendido.

Para o Brasil, com o aumento da produção agroindustrial, gera-se receita e arrecadação para o país. Em termos ambientais com a produção do biogás por meio do reaproveitamento – principalmente de dejetos de animais – o produtor ou empresário deixa de contaminar o solo, lençóis freáticos, rios e açudes. Além disso, evita-se lançar na atmosfera gases de efeito estufa (que provocam a elevação da temperatura do planeta), como o metano e dióxido de carbono produzidos pela decomposição dos dejetos ou pela redução no acionamento das termelétricas a combustível fóssil.

Já no campo social, ao retirar resíduos ou dejetos do meio ambiente, evita-se odores desagradáveis e a proliferação de doenças causadas por moscas atraídas por esse material. Outra vantagem social é a democratização do uso de energia. Por ser uma produção descentralizada, consegue-se levar eletricidade e gás para abastecer cozinhas, por exemplo, a comunidades que não teriam acesso.

 

CHP: inovação em biogás

Um bom exemplo de empresa que atua com inovação ambiental na área de biogás e gás natural é a CHP Brasil Indústria e Comércio de Geradores Ltda, localizada no estado do Rio de Janeiro, que desenvolve, produz e comercializa motogeradores a gás natural canalizado e a biogás para geração e cogeração de energia (eletricidade e vapor/frio).

A empresa possui múltiplas configurações de soluções para clientes, que vão desde o uso de biogás em fazendas produtoras de leite e cooperativas, shoppings, clubes recreativos e condomínios, até centros de distribuição de varejo (produção de energia com biometano e que pode vir a resfriar as câmaras frias da unidade).

Fábio França, diretor da CHP, explica que a empresa vende uma solução em eficiência energética no formato de projetos. “Oferecemos soluções completas para geração de energia com biogás, através de geradores a partir de 66 KVA. A tecnologia nacional desenvolvida pela CHP Brasil visa aproveitar todo o poder energético deste combustível limpo e sustentável de baixo custo de produção, gerando economia em relação aos gastos de energia elétrica e térmica e possibilitando um incremento de receita com a comercialização da energia gerada.”

Na área rural, por exemplo,  há a possibilidade de zerar a conta de energia nas granjas de suínos, aves, gado leiteiro, entre outros. “Para o sistema elétrico brasileiro, esta geração distribuída contribuiu com grande alívio de demanda e/ou controle de tensão, reduzindo perdas no transporte da energia e postergando investimentos na repotencialização de toda a malha”, defende Fábio.

Ele conta que a CHP surgiu pela visão estratégica dos sócios que acreditam que os combustíveis líquidos serão substituídos, em um futuro próximo, pelos combustíveis gasosos. Onde o biogás/biometano, será o vetor de expansão da oferta, sustentável, de energia para nossa sociedade. A união de esforços entre a Arapongas Mecânica Pesada Ltda., empresa com 63 anos de mercado especializada na retífica de motores pesados, e da Gerastar, empresa com 17 anos de atuação na venda, instalação, locação e manutenção de geradores diesel, é um exemplo. O filho do fundador da Arapongas, Leonardo Mauro Jr., engenheiro mecânico pela UFRJ, cresceu no setor de mecânica de propulsão. E desenvolveu como trabalho de conclusão da faculdade um projeto de adaptação de um motor diesel para operar com biogás proveniente de ETE (Estação de Tratamento de Efluentes).

 

Projeto transforma esgoto em energia

Rio de Janeiro foi o primeiro Estado a transformar esgoto em energia. O lodo do esgoto, que passa por processos de tratamento físico e biológico, é convertido em biodiesel e biogás, usados na geração de energia. Na estação de tratamento, todo o trabalho é no sentido de separar os resíduos (lixo e lodo) da água. O lodo gera biogás e escuma (gordura), que movem as usinas. Uma outra parte é enviada a uma centrífuga e a uma unidade de secagem. O resultado é a retirada de até 70% da umidade, com a condensação do lodo em pellets (resíduo seco) que, livres de agentes patogênicos, podem ser usados como fertilizantes.  Além disso, o lodo também é transformado em carvão. O projeto foi implementado com recursos da FINEP (R$ 600 mil), no ano de 2005, o que veio a ser o primeiro protótipo da CHP Brasil, sendo instalado na ETE de Alegria no Rio de Janeiro, com funcionamento até hoje.

 

Investida do FIMA

A CHP Brasil recebeu aporte de R$ 7,5 milhões de reais do Fundo FIP InSeed FIMA, criado pelo BNDES e gerido pela Inseed Investimentos, em 2016. O objetivo do investimento foi estruturar a CHP produtiva e comercialmente e permitir que reforce sua estrutura de pesquisa e desenvolvimento para incrementar seu pipeline de produtos. O capital está alocado para aumentar a capacidade produtiva com a implantação de fábrica própria (a primeira do Brasil dedicada exclusivamente para ottorização de motores para equipar motogeradores a gás e biogás), ampliar a força comercial e diversificar os nichos de atuação. Lembrando que o FIMA ainda está em busca de empresas com tecnologia limpa. O Fundo tem R$ 165 milhões de capital comprometido para aporte em até 20 empresas. O objetivo é permitir que as empresas investidas ampliem de forma significativa o impacto positivo de seus negócios no desenvolvimento de uma economia de baixo impacto ambiental, com alta rentabilidade.

 

Saiba mais
www.inseedinvestimentos

com.br/fundos/fima/

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição