Segunda, 24 de abril de 2017

#bebee

O fenômeno das APIs quer dizer software como serviço, rápido de ser usado

Roberto Francisco de Souza * redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

Advirto que não estou em crise onomatopeica, não pretendo buzinar a tecnologia nem mudei de assunto, assim, sem mais nem por quê.

A onda é de hashtag e, se já defendi #bepush, chegou a vez de #bebee. Mãos à obra, vamos explicar. Nosso corpus aqui é a língua inglesa. Então, traduzindo, grosso modo, seja uma abelha!

- Seja uma abelha?

É isso, mas não é. Converse com quem entende e pergunte o que faz uma abelha ser abelha. Cedo ou tarde vai te falar de hexágonos e dirá que são a forma mais econômica de se fazer favos.

Mas a abelha também é “apis”, latim!

Tico e teco cooperam em minha mente: Seja uma abelha; seja um hexágono; seja apis!

O símbolo vira estratégia: APIs quer dizer “application programming interface”, conjunto de rotinas e padrões de um software para que outros aplicativos usem suas funcionalidades.

No final do dia, o fenômeno das APIs quer dizer software como serviço, rápido de ser usado, com o menor custo possível e em nuvem. Nada representaria melhor o fenômeno que... abelhas!

Imagine qualquer serviço digital, qualquer coisa mesmo que possa ser consumida por outros aplicativos. Imaginou? Pois o que você pensou pode ser construído como uma API. Quem consome manda a encomenda. Milissegundos depois a API dá a resposta! Quem constrói a interface, se é que vai existir uma, é você.

Quer vender notícias? Construa uma API!

Quer vender a previsão do tempo? Construa uma API!

Quer vender projetos arquitetônicos? Construa uma API!

Quer fazer coaching? Construa uma API!

Quer entregar receitas de culinária? Construa uma API!

O mundo está virado em APIs, porque elas são fáceis de consumir e se empilham e se organizam como favos. Você escolhe, usa e paga centavos de uma miséria por um único uso, tudo somado e a conta vindo no final do mês, feito conta d’água.

Os grandes fabricantes e fornecedores de software e serviços seguiram a regra do #bebee e transformaram seus principais produtos em APIs. O mesmo vai acontecer com a maioria dos aplicativos de mercado. Muitos deles serão literalmente desmontados em APIs para que o consumidor possa lançar mão apenas das partes que interessam e deixar as que não lhe servem na prateleira.

Tornar-se API é, em última instância, tornar-se, mais que nunca, vendedor de serviços de consumo barato e rápido em nuvem. Todos precisam prestar atenção nisso e pensar nas APIs que vão cercar o seu negócio.

E é preciso começar logo. Para quem já sabe que será digital, quer queira ou não, para quem entende que terá que aceitar o #bepush, some aí na receita ser abelha: #bebee.

Se isso ficar buzinando na sua cabeça, terei cumprido minha missão de evangelizar.

 


Tech Notes

Como funciona uma API goo.gl/xDcPOC

Usando APIs como estratégia goo.gl/8Zy1G8

Top 50 APIs goo.gl/6RKoBA

 


(*) CEO & Evangelist da Kukac Plansis, fundador do Arborea Instituto.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição