> Edições Anteriores > Fracking, não! > MATÉRIA DE CAPA

Quinta, 23 de março de 2017

A resposta da ANP

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) está realizando desde 2015 testes sísmicos para pesquisa geológica na Bacia Sedimentar do Paraná

redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
A população de Londrina e a Cáritas Regional Paraná 
também aderiram à campanha Não Fracking Brasil

A população de Londrina e a Cáritas Regional Paraná também aderiram à campanha Não Fracking Brasil

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) está realizando desde 2015 testes sísmicos para pesquisa geológica na Bacia Sedimentar do Paraná. Em nota enviada à Ecológico, a ANP afirmou que a pesquisa “não tem relação com fraturamento hidráulico (fracking) ou gás não convencional (gás de xisto)”. Confira o conteúdo da mensagem:

“A ANP está realizando uma pesquisa sísmica na Bacia Sedimentar do Paraná, que abrange municípios dos estados do Paraná, São Paulo e Santa Catarina. A pesquisa realizada não agride o meio ambiente e nem tem relação com fraturamento hidráulico (fracking) ou gás não convencional (gás de xisto).

A ANP tem a atribuição legal de fazer estudos geológicos para aumentar o nível de conhecimento sobre as bacias sedimentares brasileiras. Uma bacia sedimentar é uma depressão da crosta terrestre onde se acumulam rochas sedimentares que podem ser portadoras de petróleo ou gás, associados ou não.

Esse projeto foi contratado pela ANP em 2015. Insere-se no “Plano Plurianual de Estudos de Geologia e Geofísica da ANP”, que é um programa de aquisição sistemática de dados geológicos e geofísicos para aumentar o conhecimento das bacias sedimentares de nova fronteira. Os recursos financeiros advêm do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal (PAC).

Essa pesquisa sísmica utiliza caminhões vibradores que emitem vibrações (ondas sonoras) em pontos pré-determinados ao longo das rodovias envolvidas na locação do projeto. Essas ondas atravessam as rochas que ocorrem em subsuperfície, são refletidas e retornam para a superfície, onde são registradas em equipamentos específicos, denominados geofones. A partir do tempo de viagem das ondas sonoras e posterior tratamento dos dados, são geradas imagens do subsolo. Nessas imagens é possível identificar e rastrear as camadas rochosas que ocorrem em subsuperfície. A pesquisa possibilita avaliar se a configuração é ou não adequada para a geração e acumulação de petróleo ou de gás natural.

A pesquisa sísmica com caminhões vibradores é realizada em estradas federais, estaduais e municipais. Os dados adquiridos serão inteiramente públicos e, após a conclusão do projeto, estarão disponíveis para consulta no BDEP (Banco de Dados de Exploração e Produção da ANP).

A Bacia Sedimentar do Paraná possui inúmeros indícios da ocorrência de petróleo e gás natural, mas ainda não possui campos produtores. Por isso, essa pesquisa tem por objetivo aumentar o conhecimento geológico e sobre o potencial petrolífero dessa grande bacia sedimentar. É importante registrar que o estudo da ANP é regional e pesquisas mais detalhadas são necessárias para identificar possíveis acumulações de petróleo, pois a sísmica é um método indireto de pesquisa. Somente com a perfuração de poços é que se pode comprovar a presença de petróleo.”

Saiba mais:

www.anp.org.br

 


LEIA A REPORTAGEM COMPLETA CLICANDO NOS LINKS ABAIXO:

Fracking, não!

Os impactos ambientais

A resposta da ANP

“O fracking é uma farsa”

Os testes sísmicos

O papa também é contra

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição