Sexta, 10 de fevereiro de 2017

De PET a piso laminado

Produtos são confeccionados a partir da reciclagem de garrafas, onde inovação e sustentabilidade orientam todas as etapas do processo

Iaçanã Woyames - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
Para cada 3 m² de piso ecológico são usadas 30 garrafas pet e um pneu de veículo de passeio

Para cada 3 m² de piso ecológico são usadas 30 garrafas pet e um pneu de veículo de passeio

Materiais que levariam até 400 anos para serem decompostos na natureza são reaproveitados no desenvolvimento de produtos que atendem às indústrias moveleira, automobilística, de eletroeletrônicos e construção civil, entre outras. É o que faz a Lamiecco, indústria situada no município de Montauri (RS), a cerca de 230 km de Porto Alegre, focada na produção de revestimentos ecológicos cujos produtos são confeccionados a partir da reciclagem de garrafas PET.

“Reciclamos mais de oito milhões de pets por mês. Para cada 3 m² de piso ecológico usamos 30 garrafas pet e um pneu de veículo de passeio. Já no revestimento para parede e box, usamos dez garrafas por metro quadrado”, conta Alexandre Figueiró, diretor-presidente da Lamiecco. Figueiró conta que a empresa atua com processos com impacto significativo no meio ambiente disponibilizando produtos com alto valor agregado.

O próximo lançamento da marca ocorrerá em breve. “Trata-se de um piso patenteado pela Lamiecco e criado para substituir os pisos vinílicos. Todos os lotes do produto têm atestado de qualidade”, afirma. Ele diz que o preço será de 10% a 15% mais competitivo. “Com a vantagem de ser sustentável e com capacidade superior de atenuar ruído, por conta da borracha de pneu que faz parte da composição do produto.”

A empresa desenvolve seus produtos com base em matérias-primas recicladas. A reciclagem movimenta empregos diretos e indiretos, desde a coleta de materiais até o seu processamento. Unidades de captação, seleção de matérias-primas e cooperativas de catadores, por exemplo, abastecem o setor de reciclagem. Desta forma, incentivamos atividades de inclusão social e coleta seletiva.

A indústria recicla anualmente mais de 100 milhões de garrafas PET.  A previsão é que, com o lançamento do Piso Ecológico, a Lamiecco  passe a demandar também mais pneus reciclados, que serão utilizados na composição do produto.

 

Como funciona

O processo de reaproveitamento do material começa com a separação das garrafas por cores e por origem (as enviadas por coleta seletiva têm a reciclagem facilitada), seguida pela remoção de rótulos e tampas. Depois de passar por uma linha de superlavagem, onde é descontaminado com água quente e produtos químicos, o material é transformado em flocos plásticos. Por um processo de extrusão, os flocos são derretidos e fundidos novamente em formato laminar. O equipamento, importado dos Estados Unidos, produz até uma tonelada de lâminas a cada hora. Após o resfriamento, as chapas passam pela texturização, onde ganham formato e cor conforme a encomenda do cliente.

Além de cuidar do meio ambiente, Figueiró garante a beleza e qualidade aos projetos de decoração que utilizam os Pisos Ecológicos Lamiecco. “Fabricados com tecnologias limpas e matérias-primas de origem reciclada, são 100% ecológicos e garantem proteção por muito mais tempo. Retiramos mais de oito milhões de garrafas PET por mês do meio ambiente e as utilizamos na fabricação de nossos produtos, que atendem às demandas de diversos segmentos de acordo com necessidades específicas. Práticos e resistentes, vão da obra ao móvel. São chapas, bobinas e fitas de borda em cores sólidas e acabamentos especiais ou madeirados. Reunindo estilo, técnica e sustentabilidade, fornecemos soluções sustentáveis, tecnicamente eficientes e esteticamente alinhadas com as necessidades do mercado de revestimentos de superfície”, reforça o diretor.

No segmento industrial, a Lamiecco atua junto ao setor moveleiro e de construção civil. No segmento corporativo, seus revestimentos se adequam às necessidades técnicas e estéticas de diversos nichos, tais como hotelaria, educacional, saúde e corporativo. “Oferecemos também produtos para o varejo e atuamos em boutiques de revestimentos, home centers e revendas”, reforça.

A Lamiecco possui ainda o CTL (Centro Tecnológico Lamiecco), responsável pelo Sistema de Garantia de Qualidade (SGQ) e o PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovações). “Garantimos o controle da qualidade dos produtos, que atendem às normas requisitadas pela ABNT”, reforça Alexandre.

Entre as novidades deste ano, a empresa vai lançar o Piso Ecológico, cuja patente de inovação coloca a Lamiecco como única fabricante no mundo a produzir pisos flexíveis a partir da reciclagem de PET e pneus, o Lamiecco Extra, revestimento com alta resistência superficial para substituição de laminados de alta pressão e o Lamiecco Fixa Fácil, revestimento autoadesivo prático e higiênico que permite obras e reformas sem sujeira e interdição de áreas.

“A Lamiecco hoje conta com 70% de sua carteira de clientes formada por revendas em todo o Brasil e 30% por indústrias moveleiras, entre as quais estão as principais marcas do segmento”, reforça Alexandre.

Alexandre Figueiró: “Retiramos oito milhões de garrafas PET por mês do meio ambiente e as utilizamos na fabricação dos produtos” - Imagem:  Flávia Schenatto

Como funciona

A Lamiecco é uma das investidas do FIP INSEED FIMA – Fundo de Inovação em Meio Ambiente, gerido pela Inseed Investimentos, primeiro fundo do Brasil destinado ao segmento de inovação aplicada ao meio ambiente. E os recursos recebidos em 2014 foram destinados à ampliação da capacidade produtiva, Pesquisa & Desenvolvimento e em contratações para posições de liderança.

O CEO afirma que a relação entre sustentabilidade e inovação sempre marcou o desenvolvimento dos produtos. “Essa postura resultou no aporte de R$ 9 milhões, feito em janeiro de 2014, pelo FIMA.” Segundo ele, os recursos foram utilizados para ampliar o mix de produtos e na compra de equipamentos. Hoje, cerca de 30% do faturamento já vem dos novos produtos. Também ampliamos o uso de ferramentas para planejamento estratégico e implantamos controles.

“A nossa parceria com a Inseed, por meio do FIP INSEED FIMA, uniu competências que vão contribuir para atingirmos nossos objetivos. Por meio desse acordo, há o equilíbrio societário e vamos aliar nosso conhecimento da indústria com o conhecimento em gestão estratégica da equipe da Inseed para alcançar o crescimento sustentável da Lamiecco”, reforça Figueiró.

 

Fique por dentro:

O Fundo FIP INSEED FIMA - Fundo de Inovação em Meio Ambiente tem R$ 165 milhões de capital comprometido para aportar em até 20 empresas de tecnologias limpas. Desde 2012, a INSEED Investimentos, gestora do Fundo, prospectou 1.271 empresas e 12 desenvolveram seu projeto de investimento. Já foram aprovados R$ 36,2 milhões em sete empresas.

Informações e inscrições pelo site:

www.inseedinvestimentos.com.br/fima

 


Jornal que vira lápis

Jornal que vira lápis

Ficou sem saber o que fazer com o jornal velho? A Cooperativa de Artesanato Futurarte, criada pela Instituição Social Ramacrisna com o objetivo de gerar trabalho e renda para mulheres em vulnerabilidade social da zona rural de Betim, região metropolitana de Belo Horizonte (MG), transforma jornal velho em lápis. Um exemplo de empreendedorismo inovador-sustentável que une os benefícios de um produto comum com o diferencial da sustentabilidade. Os lápis são produzidos de forma artesanal: folhas inteiras de jornal são enroladas em torno do grafite com uma técnica criada e aprimorada pelas cooperadas. Nenhum produto químico tóxico é adicionado. A cola especial usada une o jornal ao grafite de forma que a textura fica similar à tradicional madeira usada na confecção desses objetos. A coleção conta também com outros 19 itens como nécessaires, Kit Chá Comigo, Kit Café, Giz de Cera Sustentável, entre outros. Todos produzidos com material reaproveitado -  como jornal, arames, banners – e com peças de tear e cerâmica criados dentro da própria cooperativa.

Saiba mais:

www.futurarte.com.br


Insecta shoes

Insecta Shoes

Um outro exemplo interessante no mercado é a Insecta Shoes que transforma peças de roupas usadas de brechó e tecido feito de garrafas de plástico recicladas em botas, oxfords, sandálias e slippers. Com apenas dois anos de vida, a empresa já reciclou 2.100 peças de roupas, 630 kg de tecidos e 1.000 garrafas pet. Cada parte do sapato tem um porquê e um objetivo de redução de dejetos, reinserindo produtos que seriam jogados fora, gerando um novo produto. Desta forma a sola é feita de borracha reciclada, com excedente da indústria, que é triturada e prensada. Contraforte e Bico: as partes que dão forma e estrutura para os sapatos são feitas de plástico reciclado. Já o tecido têm duas linhas, uma de tecido vintage, que reaproveita tecidos de segunda mão ou roupas de brechó; a outra é feita de tecidos de garrafa PET reciclada e/ou algodão reciclado. A palmilha é formada por restos de tecidos e outros materiais que são sobras da indústria, os quais são processados e reformatados. Nenhum dos produtos tem origem animal.

Saiba mais:

www.insectashoes.com.br

 

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição