> Edições Anteriores > Somos todos vencedores > ECOLÓGICO NAS ESCOLAS

Quarta, 21 de dezembro de 2016

Curiosidades lunares

Cinco perguntas para Amaury A. Almeida, Doutor em Astronomia e professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP

Cristiane Mendonça - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

Quando a Lua está cheia em nosso país, por exemplo, ela também é vista nesta fase em diferentes partes do planeta?

Sim. Quando vemos a Lua Cheia (ou Nova) no Brasil, os japoneses, do outro lado do globo, também a veem da mesma forma - Cheia ou Nova - na noite anterior. Mas, por uma questão de perspectiva, a Lua Crescente no Hemisfério Norte tem a forma de um “D”. E, no Hemisfério Sul, de um “C”. Já a Minguante, no Hemisfério Norte, tem o formato de um “C”. E de um “D”, no Hemisfério Sul. 

 

É comprovado cientificamente que a Lua tem influência sobre o crescimento das plantas?

Não se pode negar os efeitos dela sobre a Terra, tendo em vista as marés e a tradição de se respeitar o calendário lunar na agricultura. Em especial quanto à Lua Cheia, devido à maior luminosidade que incide sobre as plantas à noite. 

 

A NASA afirma que a Lua poderia ser o local de uma futura colonização humana. Acredita que isso seja possível? Em quantos anos?

Sim, é possível. A Lua será um local de futura colonização por seres humanos e já existem pesquisas focadas nesse objetivo. Mas ainda é difícil prever em quanto tempo isso pode acontecer.

 

Existem na Lua regiões chamadas de “Mar da Tranquilidade” e “Mar da Serenidade”. Como são esses locais e por que eles são denominados assim?

Os astrônomos antigos acreditavam que as regiões planas e escuras fossem mares. Daí os nomes de “Mar da Tranquilidade”, etc. Hoje, sabe-se que essas extensas planícies basálticas e escuras na superfície lunar foram formadas pelo impacto de meteoros, há cerca de quatro bilhões de anos.

 

Em novembro deste ano, tivemos no céu o fenômeno da superlua. Por que nosso satélite se aproxima da Terra?

A órbita da Lua em torno da Terra não é circular. Então, em algum momento ela fica mais próxima da Terra (chamado de “Perigeu”). E, em outro, fica mais distante (“Apogeu”). Uma superlua é uma Lua Cheia que fica 14% maior e 30% mais brilhante. Para que isso aconteça, além de estar na fase Cheia, a Lua deve estar localizada no perigeu. Temos cerca de 12 perigeus por ano. Assim, de um a seis deles ocorrem próximos à Lua Cheia. Portanto, são vários os fenômenos de superlua por ano.

 

 


LEIA A MATÉRIA COMPLETA: 

No mundo da Lua

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição