Quarta, 21 de dezembro de 2016

Mãe Terra ameaçada

“Se não começarmos com mudanças substanciais, o futuro comum Terra-Humanidade corre risco. Vivemos tempos de urgência e de irreversibilidade. A Terra nunca mais será como antes.”

Leonardo Boff * redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

Há quatro ameaças que pesam sobre a nossa Casa Comum e que exigem de nós especial cuidado. A primeira é a visão pobre da Terra sem vida e sem propósito dos tempos modernos. Ela foi entregue à exploração impiedosa em vista do enriquecimento. Tal visão, que trouxe benefícios inegáveis, acarretou também um desequilíbrio em todos os ecossistemas que provocaram a atual crise ecológica generalizada. Nesse afã foram eliminados povos inteiros, como na América Latina devastaram a Floresta Atlântica e, em parte, a Amazônia e o Cerrado.
Em janeiro de 2015, 18 cientistas publicaram na famosa revista Science o estudo “Os limites planetários: um guia para um desenvolvimento humano num mundo em mutação”. Elencaram nele nove dados fundamentais para a continuidade da vida. Entre eles estavam o equilíbrio dos climas, a manutenção da biodiversidade, a preservação da camada de ozônio e o controle da acidificação dos oceanos. Todos os itens encontram-se em estado de erosão. Mas dois são os mais degradados, que eles chamam de “limites fundamentais”: a mudança climática e a extinção das espécies. O rompimento dessas duas fronteiras fundamentais pode levar a civilização ao colapso.
Cuidar da Terra nesse contexto significa que ao paradigma da conquista que devasta a natureza devemos opor o paradigma do cuidado que a preserva. Este cura as feridas passadas e evita as futuras. O cuidado nos leva a conviver amigavelmente com todos os demais seres e a respeitar os ritmos da natureza. Devemos, sim, produzir o que precisamos para viver, mas com cuidado e dentro dos limites suportáveis de cada região e com a riqueza de cada ecossistema. À Terra como baú de recursos, devemos opor a sua compreensão atual como Grande Mãe e Gaia, superorganismo vivo.
A segunda ameaça consiste na máquina de morte das armas de destruição em massa: armas químicas, biológicas e nucleares. Elas já estão montadas e podem destruir toda a vida do planeta por 25 formas diferentes. Como a segurança nunca é total, devemos cuidar para que não sejam usadas em guerras e que os mecanismos de segurança sejam cada vez mais severos.
A essa ameaça devemos opor uma cultura da paz, do respeito aos direitos da vida, da natureza e da Mãe Terra, da distensão e do diálogo entre os povos. Em vez do ganha-perde, viver o ganha-ganha buscando convergências nas diversidades. Isso significa criar equilíbrio e gerar o cuidado.
 
CUIDAR É PRECISO
A terceira ameaça é a falta de água potável. De toda a água que existe na Terra apenas 3% é doce, o resto é salgada. Destes, em torno de 10% vão para a dessedentação humana e animal. É um volume irrisório, o que explica que mais de um bilhão de pessoas vivem com insuficiência de água potável.
Cuidar da água da Terra é cuidar das florestas, pois são elas as protetoras naturais de todas as águas. Cuidar da água exige zelar para que as nascentes sejam cercadas de árvores e todos os rios tenham sua mata ciliar, pois são elas que alimentam as nascentes. Ocorre que mais da metade das florestas úmidas foram desmatadas, alterando os climas, secando rios ou diminuindo a água dos aquíferos. O que melhor podemos sempre fazer é reflorestar.
A quarta grande ameaça é representada pelo aquecimento crescente da Terra. Pertence à geofísica do planeta que ele conheça fases de frio e fases de calor que sempre se alternam. Ocorre que este ritmo natural foi alterado pela excessiva intervenção humana em todas as frentes da natureza e da Terra. O dióxido de carbono, o metano e outros gases do processo industrial criaram uma nuvem que circunda toda a Terra e que retém o calor aqui em baixo. Estamos próximos a 2oC. Com essa temperatura pode-se ainda administrar os ciclos da vida.
A COP-21 de Paris criou um consenso entre as 192 nações de fazer tudo para não chegar a dois graus Celsius, tendendo a 1,5oC ao nível pré-industrial. Se ultrapassá-lo, a espécie humana estará perigosamente ameaçada. Pena que tais decisões não tenham valor legal. Mas sejam apenas voluntárias.
Não sem razão os cientistas criaram uma nova palavra para qualificar nosso tempo: o antropoceno. Este configuraria uma nova era geológica, na qual o grande ameaçador da vida, o verdadeiro satã da Terra, é o próprio ser humano em sua irresponsabilidade e falta de cuidado.
Outros aventam a hipótese de que a Mãe Terra não nos quer mais vivendo em sua Casa. Ela arranjaria um modo de nos eliminar, seja por um desastre ecológico de proporções apocalípticas seja por alguma superbactéria poderosíssima e inatacável, permitindo assim que as outras espécies não se sentissem mais ameaçadas por nós e possam continuar no processo da evolução.
Contra o aquecimento global devemos buscar fontes alternativas de energia, como a da biomassa, a solar e a eólica, pois a fóssil e o petróleo, este o motor de nossa civilização industrial, produz, em grande parte, o dióxido de carbono. Devemos viver os vários erres (Rs) da Carta da Terra: reduzir, reutilizar e reciclar, reflorestar, respeitar e rejeitar todo o apelo ao consumo. Tudo o que possa poluir o ar deve ser evitado para impedir o aquecimento global.
Se não começarmos com mudanças substanciais, o futuro comum Terra-Humanidade corre risco. Vivemos tempos de urgência e de irreversibilidade. A Terra nunca mais será como antes. Temos que cuidar para que as transformações que lhe temos introduzido sejam benéficas para a vida e não o seu holocausto. 
 
(*) Professor e teólogo. 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição