Terça, 07 de junho de 2016

Uma voz contra o aquecimento global

Um dos mais reconhecidos políticos norte-americanos a alertar os Estados Unidos e o mundo sobre as consequências das mudanças climáticas, Al Gore ainda se mantém como a antítese da governança política insustentável

Luciano Lopes - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
“Cedo ou tarde, os anjos de nossa melhor natureza vencerão”, afirma o ex-vice-presidente dos EUA - Imagem: IISD

“Cedo ou tarde, os anjos de nossa melhor natureza vencerão”, afirma o ex-vice-presidente dos EUA - Imagem: IISD

Nas eleições norte-americanas de 2000, Al Gore tinha todos os predicados possíveis para se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos. Perdeu para George W. Bush – então considerado pela imprensa como o “inimigo número um do meio ambiente” – por apenas cinco votos. No país, a vitória em cada estado representa um número diferente de votos eleitorais, que são contabilizados para o candidato escolhido conforme o número de membros do Congresso a que aquele estado tem direito nas eleições. E, em meio a uma polêmica recontagem de votos na Flórida, Bush venceu.

Al Gore então decidiu reverter a derrota nas urnas por uma vitória sem precedentes como ambientalista: percorreu o mundo alertando sociedade, políticos e empresas sobre o perigo do aquecimento global e das mudanças climáticas. Lançou o documentário “Uma Verdade Inconveniente” (leia mais a seguir), baseado em seu livro homônimo, que lhe rendeu um Oscar.

“A Mãe Natureza fala mais alto. Se este filme ajudou a ligar os pontos, fico orgulhoso. A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas é verde. Mais um exemplo de indústria que está entre os líderes mundiais na hora de enfrentar a crise”, disse ele ao receber a estatueta.

Vice-presidente dos EUA na era Bill Clinton (1993-2001), Al Gore é filho de Albert Arnold Gore, antigo deputado federal e senador norte-americano, falecido em 1998. Formado em Administração Pública em Harvard, trabalhou como repórter investigativo em um jornal de Nashville, cursou Teologia e largou a faculdade de Direito para tentar vaga como deputado federal em 1976. Foi eleito, reeleito e se tornou senador entre 1984 e 1992.

Al Gore, que é divorciado e tem quatro filhos, se tornou a antítese de Bush e sua política antiambientalista. Abriu um canal de TV em que o tema meio ambiente era prioridade na programação, criou um fundo (Generation Investment Management) para incentivar a adoção de práticas sustentáveis e mostrar que a sustentabilidade pode ser incorporada ao processo de investimentos financeiros, e organizou em 2007 uma série de concertos musicais em nove países – o “Live Earth” – com participações de artistas como Madonna, Bon Jovi, Xuxa, Rihanna, e Jorge Ben Jor.    

O objetivo dos shows?

Alertar o mundo para o perigo das mudanças climáticas.

Nesse mesmo ano, Al Gore e o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC/ONU) celebraram mais uma conquista, ao serem agraciados com o “Prêmio Nobel da Paz” pela campanha de conscientização mundial contra o aquecimento do planeta.

Em reconhecimento aos seus 40 anos de carreira política e protagonismo nas questões ambientais, a Revista Ecológico selecionou trechos de textos e entrevistas de Al Gore. Eles nos fazem pensar ainda mais na contribuição de cada um de nós perante a natureza que nos resta. Confira:

Mudanças climáticas

“Como seres humanos, estamos suscetíveis a confundir o sem precedentes com o improvável. Em nossa experiência cotidiana, se algo nunca ocorreu antes, assumimos que não vai acontecer no futuro. Mas as exceções podem nos matar. E a mudança climática é uma dessas exceções.”

Meio ambiente
“Investir no meio ambiente dá lucro e é excelente para o planeta. Os políticos estão começando
a perceber isso.”

Missão
“Acho que, hoje, minha melhor missão é fazer a opinião pública dos Estados Unidos evoluir sobre a questão ambiental. Só existe um planeta. Todos, democratas e republicanos, vivemos nele.”

Crise
“O aquecimento global é a pior crise que já enfrentamos.”

“Para resolver a crise climática precisamos resolver a crise democrática.”

“Se nos lançarmos numa guinada para formas de energia renováveis e de baixo carbono em transportes, imóveis residenciais e comerciais e agricultura e silvicultura sustentáveis, podemos solucionar totalmente a crise do clima, com folga.”

Mercado
“O mercado é uma das principais maneiras de decidirmos que tipo de futuro queremos e, se não fizermos escolhas com cuidado, as regras do mercado podem nos trazer resultados indesejáveis. O psicólogo Abraham Maslow, famoso por estudar o que tem valor e o que não tem, certa vez disse que se a única ferramenta que você tem é um martelo, todo problema passa a ser tratado como um prego.”

“Da mesma forma, se ao analisarmos o mercado a única ferramenta que utilizarmos para decidir o que tem valor for a precificação, o que não puder ser precificado possivelmente parecerá não ter valor algum. Os economistas usam o termo ‘externalidades’ para descrever todas as coisas que não são precificadas e que eles não levam em conta. Porém, se você observar as externalidades, elas incluem o ar, a água, a beleza do pôr do sol, o amor de nossas famílias, a saúde e a vitalidade das comunidades – que, na verdade, são coisas que internalizamos. Todas elas são importantes.”

Planeta
“Se nossos filhos têm febre, os levamos ao médico. Bem, nosso planeta tem febre, e já está sentindo isso há algum tempo. Está alguns graus acima do que deveria estar. Os cientistas já nos deram sua resposta. Podemos ter apenas dez anos para agir, antes que se torne irreversível.”

Exemplo
“Há dois anos decidi viver uma vida sem carbono. Tudo o que eu e minha família fazemos visa a emitir a menor quantidade possível
de gás carbônico.”

Tecnologia
“A transformação da economia global e a consolidação da Terra como organismo único, integrado por meio do uso intenso de tecnologia, exigirão abordagens políticas totalmente novas. As mudanças trazidas por um mundo cada vez mais interconectado são verdadeiramente globais e históricas.”

Futuro
“Há um consenso de que o futuro que começa a surgir será bem diferente de tudo o que vimos no passado. Não se trata de uma diferença de intensidade, mas de natureza. Até hoje, não houve um período de mudanças sequer parecido com o que a humanidade está prestes a viver.”

Desafio climático

“Estamos à altura do desafio que temos. Precisamos vencê-lo para expressar o amor que temos pelos nossos netos. Para evitar sermos lembrados pelas gerações futuras como uma geração criminosa, que ignorou de forma egoísta e cega os claros sinais de que o seu destino estava em nossas mãos. Porque o modo como fomos criados nos dá um respeito destemido pela verdade e pela justiça. Não importa quanto tempo ela seja obscurecida por aqueles que encaram a verdade como inconveniente. Cedo ou tarde os anjos de nossa melhor natureza vencerão.”

Fontes: Redação IHU/ Repórter Eco/Exame.


São tantas as inconveniências

Em 2006, Al Gore lançou o documentário “Uma Verdade Inconveniente”, em que convida a humanidade para evitar a mudança climática, tal como enfrentou e venceu o aumento do buraco de ozônio na atmosfera. Confira a mensagem do filme:

JÁ SABEMOS tudo o que precisamos para lidar eficazmente contra as mudanças climáticas. Temos de fazer muitas coisas, não apenas uma.

SE USARMOS aparelhos elétricos mais eficientes, podemos cortar a quantidade de poluição que causa o aquecimento global que, de outro modo, seria lançada para a atmosfera.

SE TIVERMOS carros mais eficazes, eficiência no transporte, tecnologia renovável, captura e separação do carbono, tudo isso começa a somar.

TEMOS TUDO que precisamos, salvo a vontade política. E na América, a política também já é um recurso renovável. Temos a capacidade de fazer isso.

CADA UM de nós é uma causa do aquecimento global. Mas cada um pode fazer escolhas que mudem isso.

A SOLUÇÃO está em nossas mãos. Apenas temos de ter a determinação para fazer as coisas acontecerem.

A CRISE DO CLIMA pode ser resolvida. Você está pronto para mudar o modo como vive sua vida? Então comece a reduzir, até zero, as suas emissões de carbono. Veja como:

Recicle;

Compre aparelhos mais eficientes;

Regule o seu termostato para reduzir energia no aquecimento. Climatize sua casa, aumente o
isolamento e faça uma auditoria energética;

Diga para seus pais não estragarem o mundo em que você vai viver. Se é pai ou mãe, junte-se aos seus filhos para salvar o mundo
em que eles vão viver;

Mude para fontes renováveis de energia;

Telefone para sua companhia de eletricidade pedindo que lhe ofereça energia sustentável. Se disserem que não, pergunte por quê.

Vote em quem prometer acabar com esta crise;

Escreva ao Senado, à Câmara dos Deputados, à Assembleia Legislativa, à Câmara dos Vereadores de sua cidade. Se não lhe fizerem caso, candidate-se!

Plante árvores, muitas árvores;

Fale na sua comunidade;

Ligue para programas de rádio, escreva para jornais;

Reduza a dependência do petróleo estrangeiro;

Ajude os fazendeiros a adotarem a cultura de produção do álcool (biodiesel);

Exija menores emissões dos automóveis;

Se acredita em reza, reze para que as pessoas encontrem a força para mudar. Como diz um velho provérbio africano, ‘quando rezar, mexa com os pés’;

Aprenda tudo o que puder com a crise climática.
E ponha seus conhecimentos em ação;

É o seu mundo, a nossa capacidade de viver no planeta Terra, de termos um futuro enquanto civilização, que está em jogo.”

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário