Segunda, 06 de junho de 2016

Céu de Brasília

Notícias sobre políticas ambientais

redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer

2016 mais quente

Depois de a ONU divulgar que os três primeiros meses deste ano quebraram os recordes de temperatura para o período, é hora de acrescentar mais um: abril. Segundo os cientistas da Nasa, o mês foi 0,24oC mais quente que o de 2010. Detalhe: a previsão anterior era de que esse recorde de variação de temperatura deveria ocorrer a cada 150 anos, e não em seis.

Fauna preservada

O Programa Nacional de Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção (Pro-Espécies), instituído há dois anos pelo MMA, receberá US$ 13 milhões do Fundo Global para o Ambiente (GEF). O recurso vai ampliar o investimento em ações de prevenção, conservação, manejo e gestão para reduzir as ameaças e o risco de extinção de espécies. Entre elas, a elaboração de planos de ação territorial para integrar fauna e flora e o desenvolvimento de inteligência para combate ao tráfico de animais silvestres.

Estratégias anti-desmatamento

Instalado recentemente em Brasília, o Grupo de Trabalho (GT) do Desmatamento Ilegal Zero se reuniu pela primeira vez para dar sequência ao compromisso efetivado pela então ministra Izabella Teixeira e os governadores do Acre, Tião Viana, e do Mato Grosso, Pedro Taques, para zerar o desmatamento ilegal nesses estados em quatro anos. O próximo passo do GT é preparar um documento detalhando os compromissos mútuos, sob a forma de planos de trabalho, que permitam acompanhar a implementação das medidas acordadas.

Novas metas

O MMA informou que será encaminhado ao Legislativo documento que ratifica as novas metas brasileiras para conter o aquecimento global assumidas na COP-21. No evento, o país propôs reduzir 37% das emissões de gases do efeito estufa até 2025 e 43% até 2030, isso em comparação aos níveis de 2005.

Destinação de terras

O secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente, Carlos Klink, assinou no Ministério do Desenvolvimento Agrário ato que destina mais de 1,3 milhão de hectares de terras para regularização e ampliação de unidades de conservação. Do total, cerca de 1,1 milhão de hectares estão no estado do Amazonas e 249 mil hectares em Roraima.

O documento da Câmara de Destinação de Terras Públicas Federais na Amazônia Legal transfere, ainda, 5,5 milhões de hectares da União para o estado de Roraima. E, ainda, quase 2,9 milhões de hectares para a reforma agrária e a regularização fundiária de pequenos agricultores e agricultores familiares do programa Terra Legal. 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário