Quinta, 28 de abril de 2016

Moda Consciente

Três perguntas para Daise Menezes Guimarães, mestre em Sociologia e professora do curso de Design de Moda do Centro Universitário Estácio

Luciana Morais - redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
 Daise Menezes Guimarães - Imagem: Arquivo pessoal

Daise Menezes Guimarães - Imagem: Arquivo pessoal

Em sua visão, que segmento da indústria da moda está mais avançado no Brasil em relação ao uso de matérias-primas sustentáveis e à oferta de produtos ecologicamente corretos ao mercado? Quais os principais desafios a serem superados?

Há iniciativas nessa direção em vários segmentos. Porém, ainda há diversos entraves para que a sustentabilidade se torne uma prática real no mundo da moda. Como se trata de uma cadeia produtiva bastante complexa – que envolve desde a produção da fibra até o beneficiamento e venda final –, a sustentabilidade precisa permear todas as etapas do processo e não apenas ser aplicada na fase final da produção, como ocorre frequentemente. A oferta de matérias-primas sustentáveis também ainda é bastante incipiente, tem custo elevado e nem sempre está disponível no mercado. Portanto, a criação de políticas de incentivo à produção ecologicamente correta é um elemento imprescindível para que a sustentabilidade se efetive definitivamente no setor.

 

Acredita que o consumidor mineiro – geralmente tido como conservador – está maduro e já faz escolhas mais ecológicas ao comprar roupas, calçados, acessórios e outros itens de moda?

Hoje o consumidor apresenta um comportamento pautado no estilo de vida e diante do contexto em que o planeta emite sinais de alerta em relação à sua condição de absorver o impacto da ação do homem. O consumo sustentável entra na pauta do dia e ganha espaço nas campanhas publicitárias que, por sua vez, contribuem para a formação de consumidores mais conscientes. Um ponto bastante positivo da tradição mineira é, sem dúvida, a valorização do trabalho artesanal. E sendo o artesanato uma prática que condiz com a sustentabilidade, o consumo de produtos mais ecológicos acha terreno fértil em Minas e se consolida ao longo do tempo.

 

É possível ter um guarda-roupa minimamente sustentável sem gastar muito? Pode dar alguma dica?

Sim. Primeiro, o consumo deve se pautar numa postura consciente. Então, nada de comprar por impulso: avalie bem toda e qualquer compra que for fazer. Outra questão essencial é considerar a durabilidade das peças, no que diz respeito não só à qualidade, mas principalmente quanto à possibilidade de uso fora da temporada da moda. Assim, ter peças clássicas – aquelas que sobrevivem à mudança da moda como o pretinho básico, calças de corte reto e camisas clássicas – torna-se vital para compor um guarda-roupa sustentável. E para se manter em sintonia com os lançamentos basta compor looks usando elementos e acessórios que sejam tendência de moda. Dessa forma, certamente, é possível conciliar sustentabilidade e moda. 


Continue lendo:    

Com que roupa (sustentável) eu vou?

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição